Descrição de chapéu Agora

Com duas dívidas, Corinthians já pagou R$ 125 milhões por arena em Itaquera

Segundo diretor financeiro, clube ainda deve R$ 425 milhões à Caixa Econômica Federal

Luciano Trindade
São Paulo

O Corinthians pagou até o momento R$ 125 milhões do financiamento feito junto à Caixa Econômica Federal para a construção de sua arena, em Itaquera. Em entrevista à Folha, o diretor financeiro do clube, Matias Romano Ávila, disse que o time do Parque São Jorge ainda deve R$ 425 milhões ao banco.

A dívida com o banco estatal é uma das duas que o Corinthians tem para pagar. O clube precisa ainda quitar um compromisso com a Odebrecht, que construiu o estádio. O valor a ser pago para a empreiteira pode chegar a R$ 800 milhões. O Corinthians diz negociar essa montante, já que alega que algumas obras não foram concluídas. 

Sobre a dívida com a Caixa, Ávila afirmou que o pagamento está em dia. 

"Durante o ano, são oito meses que pagamos R$ 6 milhões, de março a outubro, e quatro meses de R$ 2,5 milhões, de novembro a fevereiro", explicou.

 
O período de parcelas com valor reduzido corresponde a meses em que o Corinthians disputa menos jogos, quando não há campeonatos. Segundo previsão do clube, 75% da receita para o pagamento do financiamento será obtida com a bilheteria das partidas.

"Está previsto R$ 75 milhões em receita de bilheteria e mais R$ 25 milhões em eventos na arena", diz Ávila.

"A dívida [com a Caixa] será paga em 12 anos", afirma o diretor, seguindo o que está previsto inicialmente no contrato.​

 
Já em relação ao débito com a Odebrecht, o clube acredita ser possível liquidá-lo com R$ 450 milhões (em valores atualizados) em Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CID). O valor, porém, não corresponde ao total do montante devido, que pode chegar a R$ 800 milhões, com juros. Para isso, a empreiteira teria que aceitar reduzir o valor da dívida.  

Fontes que fazem parte das tratativas afirmaram à reportagem que a própria construtora vê com bons olhos receber os CIDs como pagamento, uma vez que não há otimismo em relação à venda dos naming rights, que seriam a outra fonte de receita do clube.
 
Procurada, a Odebrecht disse que não se pronunciaria sobre a negociação. 

A Prefeitura de São Paulo dividiu o valor das CIDs em parcelas anuais, até 2023. Em 2018, por exemplo, o Corinthians recebeu e comercializou R$ 50 milhões em certificados, valor repassado à Odebrecht.
 
Desde o início de 2015, R$ 120 milhões em CIDs já foram repassados ao Corinthians. O total aprovado pela prefeitura, em 2011, foi de R$ 420 milhões, mas este valor sofre atualizações devido à valorização dos títulos. Os papéis são negociados com empresas que usam os títulos para pagar parte de seus impostos municipais.

Entenda a dívida do Corinthians 

Quanto o clube deve pelo estádio? O clube não divulga um valor oficial, mas as estimativas são de cerca de  R$ 1 bilhão, somando o financiamento com a Caixa Econômica Federal e a dívida com a Odebrecht, construtora responsável pelo estádio. 

Como o clube bancou a construção do estádio? Financiamento da Caixa Econômica Federal e uma dívida com a Odebrecht, construtora do estádio. 

Quanto o clube deve à Caixa Econômica Federal pelo financiamento do estádio e quanto já foi pago?Segundo o diretor financeiro do Corinthians, Matias Antonio Romano de Ávila, o clube deve R$ 425 milhões "Nós já pagamos R$ 125 milhões", afirma.

Quanto o clube paga mensalmente ao banco? Após uma longa negociação com a Caixa, o Corinthians acertou o seguinte fluxo de pagamento: oito meses de R$ 6 milhões, de março a outubro, e quatro meses de R$ 2,5 milhões, de novembro a fevereiro. As parcelas menores se referem a meses com menos jogo. O clube começou a pagar este financiamento em julho de 2015. Em março de 2016, porém, o pagamento foi paralisado porque o time alvinegro não conseguia acumular o valor das parcelas. Após negociar com a Caixa, o Corinthians voltou a quitar a dívida a partir de setembro de 2017. 

Em qual prazo o clube pretende quitar a dívida? Apesar de negociar com a Caixa um novo fluxo para o pagamento para as parcelas, o Corinthians afirma que manteve o prazo previsto inicialmente, de 12 anos, com vencimento em 2028.

Quais são as outras dívidas do Corinthians? Quanto precisa pagar? Além da Caixa, o Corinthians deve à Odebrecht um valor estimado em R$ 800 milhões, sendo R$ 290 milhões para a construtora e o restante, que incluem juros e correções, para a OPI (Odebrecht Participações e Investimentos), braço financeiro do grupo, que financiou parte da arena. O Corinthians, no entanto, alega que vai negociar este valor. Segundo o clube, parte da obra que não teria sido executada pela construtora. “Este valor [da dívida com Odebrecht]  não podemos divulgar, porque tem coisas que a construtora deixou de fazer na arena. Ainda estamos negociando”, explica o diretor financeiro.

Quais as fontes de receita do Corinthians para o pagamento do estádio? A bilheteria dos jogos do clube é a principal fonte de receita. No orçamento para este ano, há também a previsão de renda proveniente de eventos. "Está previsto arrecadar R$ 75 milhões em receita de bilheteria e R$ 25 milhões em eventos na arena", diz Ávila.

Como o Corinthians pretende pagar a dívida com a OdebrechtSegundo o diretor financeiro do clube, o Corinthians tem R$ 450 milhões em Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CDI). O clube planeja vender esses títulos para quitar a dívida com a Odebrecht. 

O Corinthians ainda tenta vender o naming rights? Sim. Cinco anos após a inauguração, o clube ainda não conseguiu fechar um contrato com um patrocinador. O presidente do clube, Andres Sanchez, já disse estar próximo de um acordo algumas vezes, sem sucesso. "É claro que o naming rights vão ajudar a liquidar essas contas todas. Se ele vier, ajuda o Corinthians a pagar o financiamento e o clube poderia voltar a ficar com a bilheteria. E ele [naming rights], está para acontecer", afirma Matias Antonio Romano de Ávila.

Agora
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.