Descrição de chapéu Velocidade

Tricampeão da F-1, austríaco Niki Lauda morre aos 70 anos

Austríaco superou grave acidente em 1976 e voltou a vencer mais dois Mundiais

São Paulo

Três vezes campeão mundial de F-1, o austríaco Niki Lauda morreu nesta segunda-feira (20), aos 70 anos, na Suíça, onde estava internado para tratar problemas renais.

Desde 2012, ele ocupava um cargo na diretoria da equipe Mercedes, uma espécie de presidência de honra, e era presença frequente nas corridas da categoria.

Vencedor dos Mundiais de F-1 em 1975, 1977 e 1984, Lauda correu por cinco equipes durante a sua carreira: March, BRM, Ferrari, Brabham e McLaren.

Até hoje, ele é o único piloto a ter vencido o campeonato por Ferrari e McLaren, as duas equipes mais tradicionais da modalidade.

"É com profundo pesar que anunciamos que nosso querido Niki morreu de forma pacífica ao lado de seus familiares. Suas conquistas únicas como atleta e empreendedor são e continuarão inesquecíveis, seu incansável entusiasmo pela ação, sua franqueza e sua coragem permanecerão como um modelo e uma referência para todos nós. Ele era um marido, pai e avô amoroso e carinhoso longe do público, e sentiremos a sua falta", afirma nota assinada pela família Lauda.

Um dos momentos mais marcantes da sua trajetória foi em 1976, no circuito de Nürburgring, na Alemanha, quando Lauda sofreu um acidente e ficou preso nas ferragens da sua Ferrari, que pegou fogo.

Apesar das graves queimaduras, que causaram sequelas principalmente em sua orelha direita —ele ficou sem o capacete após a batida—, e de ter inalado gases tóxicos, o austríaco ainda voltou a pilotar seis semanas depois, com a cabeça enfaixada.

 
Acidente com o piloto Niki Lauda em agosto de 1976
Acidente com o piloto Niki Lauda em agosto de 1976 - Reprodução

A partir desse episódio, Lauda passou a aparecer quase sempre com um boné quando estava fora do carro.

Ele terminou aquele campeonato na segunda posição, atrás do britânico James Hunt.

No último GP daquele ano, no Japão, Lauda desistiu da corrida por considerar que a forte chuva havia deixado a prova muito perigosa. Hunt, então, teve o caminho livre para conquistar o campeonato por um ponto de diferença.

O acidente e a história da rivalidade entre Lauda e Hunt foram mostrados no filme "Rush - No Limite da Emoção", de 2013, dirigido por Ron Howard. Lauda foi interpretado pelo ator Daniel Brühl.

Seu bicampeonato veio na temporada seguinte, em 1977, mas, após dois anos correndo na Brabham, ele decidiu se aposentar e se dedicar à empresa aérea que havia fundado.

Lauda retornou à F-1 em 1982, na McLaren, equipe pela qual venceria o tricampeonato em 1984. A vantagem dele sobre o companheiro, o francês Alain Prost, foi de apenas meio ponto —a pontuação do GP de Mônaco daquele ano acabou cortada pela metade por causa da interrupção da prova por uma forte chuva.

Em ascensão —ele viria a conquistar o primeiro dos seus quatro títulos na temporada seguinte—, Prost venceu 7 GPs naquela temporada, contra 5 conquistados por Lauda, que acabou triunfando pela menor vantagem de um campeão na história da F-1.

Além do cargo na Mercedes, outras funções ocupadas por ele na F-1 ao longo dos anos foi de chefe de equipe na Jaguar e de consultor da Ferrari, além de comentarista na TV. Fora do esporte, Lauda também continuou atuando como empresário no ramo de companhias aéreas.

Na década de 1980, ele criou a Lauda Air, empresa aérea que competia com a estatal Austrian Airline no seu país de origem. A companhia chegou a operar voos internacionais.

Em 1991, um avião Boeing 767 da Lauda Air caiu na Tailândia. Mais de 200 pessoas morreram na tragédia. Lauda viajou para o local e depois se envolveu pessoalmente na investigação das causas do acidente.

Ele, que também pilotava aviões, inclusive travou uma batalha com a Boeing, que inicialmente apontou falha humana como responsável pela queda. O austríaco conseguiu fazer a fabricante mudar de posição e admitir a falha mecânica.

Em 2017, ele relembrou o episódio no programa de TV In Depth com Graham Bensinger. Disse que os parentes das vítimas sempre lhe faziam a mesma pergunta ("Mr. Lauda, por quê?") e que imediatamente percebeu que o que mais importava para essas pessoas era dar a elas uma razão para as perdas.

Em 2018, Lauda ficou cerca de dois meses internado após precisar passar com urgência por um transplante de pulmão. No começo deste ano, voltou a ser hospitalizado por causa de uma gripe.

Lauda deixa cinco filhos: Mathias, Lukas, Christopher e os gêmeos Max e Mia.

Carreira de Niki Lauda em números

3 títulos
do Mundial de Pilotos de F-1 (1975, 1977 e 1984)

131 corridas
disputadas na F-1

54 pódios
ao longo da carreira

25 vitórias
na categoria

24 poles
conquistadas

Niki Lauda ano a ano
ANO    Equipe    Posição
1971    March    --
1972    March    --
1973    BRM    17º
1974    Ferrari    4º
1975    Ferrari    1º
1976    Ferrari    2º
1977    Ferrari    1º
1978    Brabham    4º
1979    Brabham    14º
1982    McLaren    5º
1983    McLaren    10º
1984    McLaren    1º
1985    McLaren    10º

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.