Descrição de chapéu jornalismo

Ações de diversidade podem levar a mudanças na Folha, diz pesquisador

Jornalista apresentou a dissertação 'Folha de S.Paulo e a possibilidade de um jornalismo plural' na UFRJ

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Duas iniciativas recentes da Folha foram objeto de estudo do jornalista Wellington Geraldo Silva, 53, em sua pesquisa de mestrado: a criação da editoria de Diversidade e a presença de Flávia Lima no cargo de ombudsman —é a primeira mulher negra nessa função.

A dissertação de Silva, intitulada “Folha de S.Paulo e a possibilidade de um jornalismo plural”, foi apresentada e aprovada por unanimidade na última sexta (18) para obtenção do título de mestre em comunicação e cultura pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Tomadas pelo jornal em 2019, ambas as ações têm como missão ampliar a perspectiva crítica sobre diversidade na Redação e sugerir mudanças que sejam refletidas na produção diária.

O estudo do jornalista analisou os espaços de opinião e entrevistas, como a seção Entrevista da 2ª.

“São espaços nobres e quase sempre demarcadamente de pessoas brancas, em que o emissor tem a liberdade de expor seu pensamento e onde sua visibilidade está mais presente, com fotos e nomes expostos no jornal”, afirmou Silva durante a defesa.

Para a pesquisa, ele entrevistou o diretor de Redação da Folha, Sérgio Dávila, a ombudsman do jornal, Flávia Lima, a primeira editora de Diversidade, Paula Cesarino Costa, e a atual, Alexandra Moraes.

Silva também ouviu colunistas negros do jornal, como Thiago Amparo, e blogueiros negros, como Denise Mota, do blog Preta, preto, pretinhos.

A ombudsman da Folha, Flavia Lima, no evento de 99 anos do jornal - Keiny Andrade/Folhapress

Silva graduou-se em 1990 pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), tem pós-graduação em marketing e gestão pela UFRJ e hoje é consultor de comunicação empresarial em São Paulo. Entre 2012 e 2014, ele foi secretário de comunicação do ministro Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal.

A orientação do trabalho foi do escritor e professor emérito da Escola de Comunicação da UFRJ, Muniz Sodré. A banca recomendou que o texto fosse publicado.​

"Em geral, a mídia brasileira fala pouco de si e de seus problemas, principalmente de um tema incômodo como o racismo. Mas tive uma abertura grande na Folha”, diz Silva.

Foi a partir da conexão entre a análise crítica do presente e a presença e silenciamento do negro na imprensa desde o movimento abolicionista que Silva avaliou possíveis impactos dessas iniciativas.

“Jornalistas negros sempre foram colocados em lugares de pouca visibilidade e muito perigo na imprensa brasileira, como a reportagem de polícia”, afirmou, citando o caso de Tim Lopes, jornalista da TV Globo morto enquanto fazia reportagem sobre traficantes no Rio de Janeiro, em 2002.

Para Silva, ainda é cedo para avaliar impactos estruturais das ações, embora ele já enxergue mudanças no jornalismo praticado pela Redação, ainda que ela seja majoritariamente branca.

Exemplo disso, segundo o pesquisador, foi o destaque dado às cotas raciais e de gênero em candidaturas nas eleições deste ano e a cobertura do Dia da Consciência Negra.

Entre os próximos passos sugeridos pelo pesquisador para o aprofundamento das mudanças, estão a abertura de maior espaço para diversidade no processo de contratação e a rediscussão de questões como as cotas raciais --nos editoriais, o jornal defende as cotas sociais.

“Um jornal precisa ter vários olhares, não pode dar as costas a mais de 50% da população. Não vejo outra maneira de os jornais sobreviverem”, afirma.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.