Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/08/2006 - 15h17

Conflito no Líbano atinge porto histórico de Biblos

HUGH SYKES
da BBC, em Biblos

O conflito no Líbano causou danos devastadores à economia local e danos ambientais na antiga cidade portuária de Biblos.

Biblos não foi bombardeada, mas foi muito danificada pelo conflito entre Israel e o Hizbollah.

O porto, as rochas e as praias de Biblos estão desfiguradas devido ao vazamento de petróleo.

O petróleo se espalhou pela costa em uma densa mancha depois que os israelenses atacaram tanques na estação de Jiyyeh, ao sul da capital Beirute.

Berj Hatjian, importante funcionário do Ministério do Meio Ambiente, realizou testes na mancha no porto de Biblos.

De acordo com suas medidas, a mancha tinha mais de dois centímetros de espessura. É possível sentir seu cheiro no ar.

Remover a mancha será um serviço mecânico, sujo porém direto, usando bombas para sugar o petróleo que está no mar.

Mas o petróleo que atingiu as rochas e praias na costa ao norte de Beirute está se infiltrando na areia e nas pedras e poderá ser impossível removê-lo destes locais.

Peixes

O atraso no início da operação está dificultando ainda mais a situação. Segundo Hatjian a espera é inevitável. Ele prefere não arriscar levar caminhões e equipes de limpeza para as praias durante o conflito.

Nas proximidades da mancha de petróleo no porto de Biblos, há um cardume de pequenos peixes brancos novos, milhares deles. Este tipo de peixe prefere se alimentar em águas que estão entre as sombras.

A sombra embaixo da mancha está atraindo os peixes para o perigo. Os peixes vão absorver parte das substâncias venenosas do petróleo que então passarão para a cadeia alimentar quando os peixes forem consumidos --por aves, outros peixes ou até mesmo por humanos.

A corrente que prevalece na costa libanesa vem do sul. A mancha já teria alcançado o porto de Latakia, na Síria. Biólogos marinhos temem que o petróleo possa alcançar o Chipre e até as ilhas do Mar Egeu.

Turismo

O conselho municipal de Biblos limpou uma das praias da cidade, usando escavadeiras para empurrar a areia oleosa para um lado. A praia está limpa, assim como a água, com ondas para body surfing.

E agora com o cessar-fogo as autoridades esperam que os turistas voltem.
O hotel Biblos-sur-Mer pode acomodar 75 hóspedes. Quando fiquei no hotel, era o único.

O castelo dos Cavaleiros Cruzados e as ruínas romanas geralmente recebem entre 500 e mil visitantes por dia durante os meses do verão. Quando visitei o local, era o único em mais de duas semanas.

O festival de música de Biblos, que apresentaria a soprano americana Barbara Hendricks, foi abandonado.

A área onde estão os cafés e restaurantes tinha estabelecimentos abertos, mas a maioria estava deserta.

Berj Hatjian quer saber a razão de Israel ter atacado os tanques de petróleo próximos ao mar.

Ele acredita que os israelenses sabiam qual seria o efeito deste ataque, que iria castigar comunidades que não tinham relação nenhuma com o conflito.

"Isto não tem nada a ver com o Hizbollah. Está apenas atingindo a economia do Líbano, da antiga Fenícia", disse.

Leia mais
  • ONU anuncia envio de tropas de reforço ao sul do Líbano
  • Veja cronologia dos confrontos

    Especial
  • Leia mais sobre a Guerra no Oriente Médio
  • Veja fotos da atual onda de violência entre Israel e Líbano
  • Enquete: Israel e Hizbollah cumprirão a resolução de cessar-fogo da ONU?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página