Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/07/2005 - 18h12

Em depoimento ao Conselho, Carlos Rodrigues chora e nega acusações

Publicidade

ROSE ANE SILVEIRA
da Folha Online, em Brasília

Ao enfrentar seus pares no Conselho de Ética da Câmara, nesta quarta-feira, o deputado Carlos Rodrigues (PL-RJ), ex-bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, chorou e negou que tenha iniciado o esquema de pagamento de mesadas ainda na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

Esta é uma das principais acusações feitas contra ele pelo deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ). Carlos Rodrigues classificou de "absurdas" as denúncias feitas contra ele sobre suposto envolvimento no esquema do "mensalão".

O presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), teve que interromper a sessão duas vezes devido ao estado emotivo do depoente.

O momento em que ficou mais abalado foi quando comentou seu afastamento da Igreja Universal por causa da suspeita de ter participado de esquema de arrecadação ilegal de recursos de publicidade da Loterj (Loteria Estadual do Rio de Janeiro) na época que era presidida pelo ex-assessor da Casa Civil da presidência da República, Waldomiro Diniz. 'Na hora que precisei, deram-me as costas e me crucificaram.'

Sobre as acusações de Jefferson, o deputado disse que nunca foi deputado estadual e que esteve na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro no máximo dez vezes. 'E apenas em eventos comemorativos', salientou.

Segundo o deputado, até as denúncias publicadas no 'Jornal do Brasil', no início deste ano, ele jamais havia ouvido falar do suposto pagamento de mesada a deputados da base aliada em troca da apoio político -- o "mensalão".

Delúbio e Silvio Pereira

Indagado sobre o seu envolvimento com o publicitário Marcos Valério de Souza, apontado por Jefferson como operador financeiro do "mensalão", o ex-bispo negou conhecer o publicitário mineiro.

Rodrigues admitiu ter tido encontros com o tesoureiro licenciado do PT, Delúbio Soares, acusado de envolvimento no esquema do "mensalão". O deputado negou no entanto, ter tido qualquer encontro com o secretário-geral petista, Silvio Pereira, que também está afastado.

De acordo com Rodrigues, seus encontros com Delúbio ocorreram ainda no período da campanha eleitoral de 2002, quando o PL formou chapa com o PT para a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O deputado disse que os encontros visaram articular o apoio evangélico á candidatura petista.

Leia mais
  • Ideli pede que Jefferson indique membros da CPI que receberam "mensalão"
  • Ações de elétricas desabam na Bovespa com novo ministro de Minas e Energia
  • Valério e sócios movimentaram R$ 836 milhões
  • Acusado de participar do "mensalão", José Borba deixa liderança do PMDB

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a CPI dos Correios
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página