Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/05/2010 - 09h00

Serei doador, mas não o único, diz vice de Marina Silva

Publicidade

BERNARDO MELLO FRANCO
enviado a Nova Iguaçu

Depois de longas conversas com sócios, amigos e parentes, o empresário Guilherme Leal, 60, aceitou se licenciar da direção da Natura para ser o vice de Marina Silva.

Engajado na criação de ONGs como o Instituto Ethos e a Fundação Abrinq, concorrerá pela primeira vez a um cargo eletivo. Após a festa do PV, ele disse à Folha que a decisão foi "muito difícil" e que se dedicará a construir pontes com o empresariado.

FOLHA - Sua presença como vice aumenta a confiabilidade de Marina entre empresários?
GUILHERME LEAL - Espero que sim [risos]. À medida que isso está definido, muitos empresários têm simpatia, sim. Muitos me estimularam, de alguma forma, a esse movimento cívico. E corajoso.

FOLHA - Pretende ajudar a atrair doações de campanha?
LEAL - Existe uma estrutura que está sendo montada, com transparência e compromisso ético. O processo de captação está aí. Sabemos que não somos os ricos do pedaço.

FOLHA - O sr. vai ser doador?
LEAL - Vou, mas não o único. Pretendemos que a campanha seja financiada de uma maneira bastante distribuída. Todas as análises dizem que Marina pode mobilizar redes sociais. Espera-se que em termos de arrecadação isso também aconteça.

FOLHA - Qual a quantia necessária para a candidatura?
LEAL - Isso está sendo trabalhado. A campanha vai se ajustando às realidades. É um pouco desejo e um pouco possibilidade.

FOLHA - O senhor já decidiu o valor da sua contribuição?
LEAL - Não. Vai se construindo na medida em que a necessidade exista e numa proporção razoável.

FOLHA - Por que se licenciar da direção da Natura?
LEAL - Legalmente, não haveria necessidade, mas vou pedir afastamento do conselho. Não deixarei de ser acionista, mas sem qualquer influência nas decisões da Natura.

FOLHA - Teme alguma represália contra a empresa?
LEAL - A gente espera que a democracia seja respeitada. Da mesma forma como a Marina diz que não quer o embate com os adversários, a gente espera que isso prevaleça.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página