Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/11/2005 - 20h48

Oposição critica votação do Supremo sobre processo de Dirceu

Publicidade

FELIPE RECONDO
da Folha Online, em Brasília

O vice-presidente da Câmara, José Thomaz Nono (PFL-AL), mostrou-se revoltado com o impasse criado pela votação no STF (Supremo Tribunal Federal) do mandado de segurança impetrado pelo deputado José Dirceu (PT-SP).

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), disse que esperará a decisão do Supremo para depois tomar providências sobre o processo de quebra de decoro contra Dirceu.

"Compete ao Legislativo fazer valer o mandato de parlamentar, não o Judiciário. O STF está se excedendo. Levando em conta este processo é melhor fechar esta Casa e remeter todos os processo para que o Jobim [presidente do STF, Nelson Jobim] decida o que vai fazer", afirmou. "Esta casa está se abaixando demais. E quem se abaixa demais expõe partes anatômicas a terceiros", acrescentou.

Os oposicionistas ameaçam barrar as votações de projetos caso o presidente da Câmara adie a decisão sobre o mandato de Dirceu. 'Proponho não votar nenhuma matéria, porque as cassações são prioritárias', afirmou o líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ).

O líder do PSDB na Câmara, Alberto Goldman (SP), na mesma linha, disse que a Casa terá problemas com a pauta de votações se o processo de Dirceu não estiver na pauta do plenário no próximo dia 30.

"Temos sido impedidos pelo Judiciário de tomar uma decisão que tem que ser tomada", criticou Goldman. "Ele [Aldo] não pode esperar a decisão. Ele tem a obrigação de resolver este caso. Se ele adiar, pode sim gerar problemas para as votações", disse.

Leia mais
  • STF suspende votação de processo de Dirceu depois de empate
  • STF suspende votação de processo de Dirceu depois de empate

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre José Dirceu
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página