Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/12/2005 - 19h40

Saiba mais sobre o deputado federal Ricardo Fiuza

Publicidade

do Banco de Dados da Folha

06.set.1939 - Nasce Ricardo Ferreira Fiúza, filho de Fernando Fiúza Pequeno e Maria de Lourdes Ferreira Fiúza, em Fortaleza (CE)

1963 - Gradua-se em direito na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco

nov.1970 - É eleito deputado federal em Pernambuco pela Arena

nov.1974 - É reeleito para a Câmara dos Deputados e participa do Grupo Renovador, movimento dentro da Arena

nov.1978 - Eleito deputado federal pela terceira vez, assume em fevereiro do ano seguinte e é vice-líder da Arena

nov.1979 - Com o fim do bipartidarismo filia-se ao PDS e permanece como vice-líder do partido

nov.1982 - Reeleito deputado federal pela quarta vez consecutiva, pelo PDS

1984 - Vota contra a emenda Dante de Oliveira

jan.1985 - No Colégio Eleitoral, vota em Paulo Maluf para presidente

nov.1986 - É eleito deputado federal pelo PFL para a Assembléia Constituinte

1987 - Durante a Assembléia Constituinte é titular das Comissões de Sistematização e de Redação e um dos articuladores do "Centrão", bloco suprapartidário de centro-direita

out.1987 - É vice-presidente da CPI do Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

jun.1988 - Participa da articulação na Câmara que aprova os cinco anos para o governo José Sarney

jul.1988 - Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia é acusada de liberar recursos para deputados favoráveis ao quinto ano de mandato para Sarney, entre eles Ricardo Fiúza

out.1989 - Assume liderança do PFL na Câmara dos Deputados
jan.1990 - Bancada do PFL na Câmara integra base de apoio ao presidente Fernando Collor

mar.1990 - Bancada do PFL apóia reformas econômicas do Plano Collor

out.1990 - Reeleito deputado federal pela sexta vez consecutiva

jan.1991 - Torna-se líder do bloco governista PFL-PRN na Câmara

nov.1991 - Substitui o deputado João Alves (PFL-BA), acusado de fraudar o Orçamento da União, na relatoria da Comissão Mista de Orçamento

jan.1992 - É nomeado ministro da Ação Social no governo Collor

mar.1992 - Declara a 'Veja' ter recebido R$ 100 mil da Febraban durante a campanha eleitoral e um jet-ski de presente da empreiteira OAS; deputado José Dirceu entra com representação contra Fiúza no TSE por ferir a lei de inelegibilidade

abr.1992 - O senador Eduardo Suplicy acusa Fiúza de incluir emendas no Orçamento da União após sua aprovação pelo Congresso

09.set.1992 - Suplicy denuncia liberação de verbas do Ministério da Ação Social para obras propostas pelo próprio Fiúza quando era deputado

10.set.1992 - Collor nomeia Fiúza secretário de Governo no lugar de Jorge Bornhausen

23.set.1992 - Deixa o Ministério da Ação Social para conduzir o movimento anti-impeachment na Câmara

27.set.1992 - É exonerado da Secretaria de Governo para comandar a tropa de choque governista na Câmara contra o impeachment

29.set.1992 - É um dos 38 deputados a votar contra o impeachment de Collor

nov.1992 - O senador Eduardo Suplicy acusa Fiúza de utilizar verbas da Caixa Econômica Federal para compra de votos contra o impeachmentde Collor

out.1993 - Preso, o economista e ex-secretário do Orçamento do Congresso José Carlos dos Santos inclui Ricardo Fiúza entre os políticos envolvidos em irregularidades na Comissão do Orçamento

18.out.1993 - Renuncia à vice-liderança do PFL devido às acusações de José Carlos dos Santos

19.out.1993 - Congresso instala CPI do Orçamento

nov.1993 - Depõe à CPI do Orçamento nos dias 3 e 4

14.jan.1994 - Presta novo depoimento às Subcomissões de Emendas e de Subvenções Sociais da CPI do Orçamento

17.jan.1994 - Comissão técnica conclui que Fiúza incluiu emendas irregularmente no Orçamento de 1992

21.jan.1994 - O relator da CPI, Roberto Rollemberg, pede a cassação de Ricardo Fiúza

25.fev.1994 - Por sorteio, o deputado Hélio Bicudo (PT-SP) é escolhido para ser relator do pedido de cassação de Fiúza na Comissão de Constituição e Justiça

28.abr.1994 - Fiúza é inocentado pela Comissão de Constituição e Justiça do Congresso

11.mai.1994 - Câmara dos Deputados inocenta Fiúza com 208 votos a favor do parecer da CCJ

26.mai.1994 - Retoma atividades na Câmara dos Deputados

30.mai.1994 - O procurador-geral da República, Aristides Junqueira, pede ao STF a abertura de inquérito para apurar se Fiúza modificou o Orçamento de 1992; em 11 de junho o pedido é aceito pelo ministro Paulo Brossard

out.1998 - É eleito deputado federal (PFL-PE) com mais de 50 mil votos

jun.1999 - É escolhido relator do projeto do novo Código Civil

2004 - É relator da MP que dá status de ministro ao presidente do Banco Central

Leia mais
  • Morre Ricardo Fiuza, deputado e ex-ministro de Collor

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o deputado Ricardo Fiuza
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página