Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/09/2006 - 18h05

Advogado preso diz à PF que dinheiro veio do PT

Publicidade

HUDSON CORRÊA
da Agência Folha, em Cuiabá

O advogado Gedimar Pereira Passos --que foi preso ontem em São Paulo, onde receberia um dossiê contra o candidato a governador pelo PSDB, José Serra-- disse à Polícia Federal que recebeu de membro do PT em São Paulo, cujo nome ele disse não saber, o dinheiro para comprar o material.

O presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, negou que o partido tenha pago pelo dossiê e condenou a tentativa de chantagem aos tucanos.

O dossiê --uma fita de vídeo, um DVD e seis fotos-- foi enviado pelo empresário Luiz Antonio Trevisan Vedoin, apontado como chefe da máfia dos sanguessugas. Por conta do negócio, Vedoin foi preso ontem. A Justiça Federal determinou a prisão alegando que Vedoin ocultava provas e chantageava pessoas envolvidas com a máfia dos sanguessugas.

O material mostra Serra em maio de 2001, então ministro da Saúde, participando da entrega de 41 ambulâncias em Cuiabá (MT). Esses veículos, pagos com verbas federais, foram vendidos a municípios pela máfia dos sanguessugas.

Há ainda uma foto, sem data, em que o candidato a presidente pelo PSDB, Geraldo Alckmin, aparece cumprimentando uma pessoa identificada pela PF como Sinomar Martins Camargo, representante da empresa Santa Maria, que pertencia aos sanguessugas e fornecia ambulâncias. Serra e Alckmin negam envolvimento com os sanguessugas e falam de armação eleitoral.

Segundo passos, outra parte do dinheiro veio de uma revista cujo nome ele não soube dizer no depoimento à PF. A revista iria pagar pela exclusividade de uma reportagem.

Com Passos, foram apreendidos, segundo a PF, US$ 139 mil e R$ 410 mil em dinheiro. O empresário Valdebran Padilha Silva, filiado ao PT de Mato Grosso, também foi preso. Ele, que era o outro comprador, estava com US$ 109 mil e mais R$ 758 mil.

A PF prendeu Paulo Roberto Trevisan, tio (ontem a PF divulgou que era primo) de Vedoin, após a Justiça decretar sua prisão.

Trevisan foi encarregado de levar o material a São Paulo. Ele foi detido na quinta-feira à noite no aeroporto de Várzea Grande, região de Cuiabá, quando embarcava no avião.

No aeroporto de Congonhas (SP), seria recebido por Valdebran e Passos. O dinheiro estava em um hotel.

R$ 20 milhões

Em depoimento à PF, Passos disse que recebeu parte do dinheiro no hotel de um representante do PT de São Paulo. Ele não disse o nome.

Inicialmente, segundo Passos, Vedoin teria pedido R$ 20 milhões pelo material. O preço foi então reduzido a R$ 2 milhões e, além do cofres PT, o dinheiro teria vindo de uma revista.

A função de Passos, agente aposentado da PF, seria analisar o material. Além de fotos, DVD e vídeo, Trevisan levava numa pasta azul três páginas com os nomes de prefeituras dos Estados de Ceará, Rondônia, Alagoas, Amapá, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraná e Rio de Janeiro.

Na relação, há o nome de 12 prefeituras e ao lado de cada uma foram listados valores de R$ 66 mil a R$ 64 mil.

Preso junto com Passos, Valdebran, segundo o Diretório do PT de Cuiabá, chegou a ser indicado para um cargo de diretor da Eletronorte no início do governo Lula. Mas uma ala do PT impediu a nomeação enviando um dossiê contra ele sobre superfaturamento em prefeituras de Mato Grosso.

Leia mais
  • Berzoini nega que PT tenha pago por dossiê
  • Serra não vê evidência sobre iniciativa de dossiê
  • Para Lula, tentar comprar de dossiê é abominável

    Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página