Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/05/2007 - 17h35

Polícia Federal pede prisão de Jackson Lago, mas Justiça nega

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

A Polícia Federal pediu a prisão do governador do Maranhão, Jackson Lago (PDT), na Operação Navalha, mas não recebeu autorização da Justiça para cumprir o mandado.

No despacho, a ministra Eliana Calmon, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), alegou que não existiam "elementos fáticos" que justificassem a prisão em flagrante do governador.

Lago é apontado pela PF como beneficiário de vantagem indevida. Por meio de seus sobrinhos, Alexandre de Maia Lago e Francisco de Paula Lima Júnior, presos durante a operação, o governador teria recebido R$ 240 mil para permitir o pagamento, pela Secretaria de Infra-Estrutura do Estado, de R$ 2,9 milhões de uma obra da Gautama --empresa sediada em Salvador (BA).

A PF prendeu nesta quinta-feira 46 pessoas durante a Operação Navalha, todas acusadas de fraudes em obras públicas.

Entre os presos estão o deputado distrital Pedro Passos (PMDB), o ex-governador do Maranhão José Reinaldo Tavares (PSB); o secretário de Infra-Estrutura de Alagoas, Adeílson Teixeira Bezerra; o diretor do Detran de Alagoas, Márcio Menezes Gomes; o assessor especial do gabinete do ministro Silas Rondeau (Minas e Energia), Ivo Almeida Costa; o prefeito de Camaçari (BA), Luiz Carlos Caetano (PT); e os dois sobrinhos de Jackson Lago.

A operação desarticulou uma organização criminosa que atuava desviando recursos públicos federais nos Estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Sergipe, Pernambuco, Piauí, Maranhão, São Paulo e no Distrito Federal.

A ministra Eliana Calmon expediu mais de 40 mandados de prisão preventiva e 84 de busca e apreensão.

Segundo a PF, a empresa Gautama, em Salvador (BA), operava a organização criminosa infiltrada no governo federal e em governos estaduais e municipais.

O objetivo da quadrilha era obter de forma fraudulenta lucros através da execução de obras públicas.

Segundo a PF, que iniciou as investigações em novembro de 2006, a quadrilha desviou recursos do Ministério de Minas e Energia, da Integração Nacional, das Cidades, do Planejamento, e do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes). Também houve fraudes nos Estados de Alagoas, Maranhão, Sergipe, Piauí e no Distrito Federal; e nas cidades de Camaçari (BA) e Sinop (MT).

Cerca de 400 policiais federais participam da operação. Além dos mandados de prisões e de busca e apreensão, a ministra determinou também o bloqueio de contas e a indisponibilidade dos bens imóveis dos integrantes do esquema, e que todos os presos sejam encaminhados a Brasília.

Leia mais
  • Polícia Federal pede prisão de Jackson Lago, mas Justiça nega
  • PF prende ex-governador, prefeitos e parentes de governador; veja lista
  • Assessor parlamentar preso pela PF já trabalhou com quatro deputados
  • Ministro Silas Rondeau manda afastar assessor preso em operação da PF
  • Ministério Público apresentará denúncia contra presos em operação da PF

    Especial
  • Leia cobertura completa sobre o segundo mandato do governo Lula
  • Leia mais sobre fraudes em licitações
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página