Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/04/2005 - 00h30

Artesão diz ter matado outras três mulheres a mando do demônio

Publicidade

SÍLVIA FREIRE
da Agência Folha

O artesão José Vicente Matias, 39, o Corumbá, disse que matou outras três mulheres em Goiás, Minas Gerais e Bahia, segundo a Polícia Civil do Maranhão. Caso as confissões sejam verdadeiras, pode subir para seis o número de mulheres mortas pelo artesão. Nos depoimentos, Matias disse ter recebido ordens do demônio para matar as mulheres.

Segundo informações de policiais de Goiás e de Minas Gerais, que mantêm contato com os delegados no Maranhão, o artesão deu detalhes sobre o assassinato de duas adolescentes de 16 anos, cujas mortes não foram esclarecidas. Ainda não há informação sobre a possível vítima da Bahia.

Na semana passada, segundo a polícia, Matias confessou ter matado a alemã Marianne Kern, em Barreirinhas, na região dos Lençóis Maranhenses, e a espanhola Nuria Fernandez Collada, em Alcântara (MA). Ele disse também que assassinou a turista israelense Katryn Rakitov, 29, em Pirenópolis (GO), que está desaparecida desde abril de 2004.

O delegado Jorge Moreira, da Delegacia de Homicídios de Goiânia, disse que Matias detalhou a morte de Lidiane Vieira de Melo, 16, assassinada em janeiro de 2004, em Goiânia (GO), cujo corpo foi esquartejado.

"Ele contou que levou um dia e meio para matá-la, que a amarrou e chupou seu sangue. Ele deu detalhes que têm harmonia com o que aconteceu aqui", disse.

A segunda possível vítima identificada de Matias seria a adolescente mineira Natália Canhas Carneiro, 16, morta em setembro de 1999, no município de Três Marias (MG). Segundo o inspetor Geraldo Pinto de Oliveira, na época, as investigações ligaram a jovem a um grupo de artesãos que havia estado na cidade naquele período.

"Quando assisti às reportagens sobre a prisão do artesão, lembrei do caso e entrei em contato com a Polícia Civil do Maranhão. Ontem [segunda-feira], recebi a informação que ele havia confessado o crime", disse Oliveira.

Segundo o inspetor, Matias disse ter visitado o município, descrito a cidade e detalhado a morte. "Para nós, está elucidado o crime com 100% de certeza", disse Oliveira.

O artesão foi preso no dia 29 de março, em Bragança, no interior do Pará, e transferido para São Luís (MA). Segundo o delegado José Maria Melônio, da Polícia Civil do Maranhão, Matias pede para ser ouvido diariamente e em cada depoimento acrescenta novas informações. A versão mais recente é a de que ele era dominado por uma "força" no momento dos crimes.

"Ele [Matias] disse que encontrou com o demônio quando tinha 31 anos e que recebeu a ordem de matar sete mulheres e que, quando mata, fica possuído por uma força que o domina", afirmou Melônio.

O delegado não descarta a possibilidade de o artesão tentar se passar por louco para escapar de uma eventual condenação. O inquérito irá solicitar um exame de sanidade mental.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre assassinatos de turistas no Brasil
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página