Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/06/2005 - 00h01

Suspeita de matar os pais, Suzane Richthofen deve ser solta nesta quarta

Publicidade

da Folha Online

Deve ser libertada nesta quarta-feira a estudante Suzane Louise von Richthofen, presa há dois anos e sete meses, desde que confessou envolvimento no planejamento e execução do assassinato de seus pais, ocorrido em outubro de 2002.

A medida será tomada por força de um habeas corpus concedido ontem pela 6ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Três dos cinco ministros consideraram "insuficiente" a fundamentação apresentada nas ordens de prisão expedidas contra a estudante.

Flávio Grieger/Folha Imagem
Suzane von Richthofen
Suzane von Richthofen
Os decretos em questão defendem a prisão "por conveniência da instrução criminal, para assegurar a eventual aplicação da lei penal e especialmente em virtude do clamor público que envolve o caso, para garantia da ordem pública e até mesmo para assegurar a integridade física dos acusados".

A Secretaria da Administração Penitenciária do Estado de São Paulo recusou-se a divulgar a unidade em que Suzane está e afirmou que sua soltura depende somente de uma notificação oficial sobre a decisão.

Réus

O casal Manfred e Marísia von Richthofen foi assassinado em casa, no Brooklin (zona sul de São Paulo). As vítimas foram surpreendidas enquanto dormiam e golpeadas com bastões, ainda na cama.

Suzane, na época com 19 anos, o então namorado dela, Daniel Cravinhos de Paula e Silva, e o irmão dele, Cristian, foram presos e confessaram envolvimento no crime.

Os três são acusados de duplo homicídio qualificado pelo motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima. São acusados também de fraude processual por terem alterado a cena do crime. O objetivo seria fazer a polícia acreditar na versão de latrocínio.

Pronúncia

Os réus foram pronunciados em 21 de março de 2003. A sentença afirmava que estavam presentes dois requisitos essenciais: prova de materialidade --morte das vítimas-- e de autoria --os três confessaram a participação no crime à polícia e em juízo. O julgamento de culpa ficou a cargo do júri popular.

Em primeira instância, os argumentos apresentados em favor da manutenção da custódia antecipada haviam sido os mesmos contidos no decreto.

Em dezembro de 2004, a 5ª Câmara Criminal do TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo, que havia confirmado a sentença de pronúncia, negou liberdade para a acusada. Na confirmação, entretanto, o TJ "não se manifestou acerca da legalidade da prisão preventiva".

Para a defesa, houve constrangimento ilegal já que a manutenção da prisão significaria "antecipação da punição ao acusado". "Nenhum juiz ou tribunal pode tomar conhecimento de habeas corpus impetrado contra ato que, expressa ou implicitamente, confirmou", ainda segundo o STJ.

Leia mais
  • Entenda o caso da morte do casal Richthofen
  • STJ concede habeas corpus em favor de Suzane Richthofen

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o assassinato do casal Richthofen
  • Leia o que já foi publicado sobre crimes em família
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página