Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/08/2006 - 09h29

Saulo tentou evitar a divulgação do vídeo

Publicidade

KLEBER TOMAZ
ANDRÉ CARAMANTE
da Folha de S.Paulo
REGIANE SOARES
Colaboração para a Folha de S.Paulo

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, tentou evitar, anteontem à noite, que a Rede Globo exibisse o vídeo com o manifesto do PCC.

Abreu Filho, segundo a Folha apurou, procurou dois diretores da Globo por telefone. Ontem, sua assessoria de imprensa disse que "a secretaria não iria comentar o assunto". Policiais envolvidos na operação para localizar o repórter Guilherme Portanova confirmaram a ligação de Saulo.

O delegado Osvaldo Nico Gonçalves, coordenador do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), também defendeu a não exibição da fita. Ele argumentou que a exibição abriria um precedente arriscado, porque significaria atender, sob ameaça, a uma exigência do PCC. "Isso vai abrir um precedente grande", afirmou Gonçalves, que esteve na sede da emissora. Ele foi enviado pela secretaria para falar com a Globo.

Na avaliação da polícia, ao ceder a um pedido, abre-se a possibilidade de que outras reivindicações sejam feitas da mesma maneira. A determinação de transmitir o vídeo partiu dos seqüestradores de Portanova como condição para que ele não fosse assassinado.

Pela sugestão dos policiais, a ação da Globo deveria seguir a negociação de um seqüestro convencional: 1) procurar não ceder "facilmente" às exigências dos captores --"Não pode ceder facilmente, senão vira rotina", disse um delegado da cúpula da polícia, sob anonimato. 2) exigir uma prova de vida, como uma foto do repórter acompanhada de um jornal do dia.

Embora tenha tentado pressionar a emissora, a cúpula da polícia paulista reconheceu que a decisão de veicular o vídeo ficou restrita à Globo.

Lembo

Assim como o secretário da Segurança, o governador de São Paulo, Cláudio Lembo (PFL), optou por não se pronunciar ontem. Eles não participaram de eventos públicos.

O ministro Tarso Genro (Relações Institucionais) foi um dos raros integrantes da cúpula do governo federal a se manifestar sobre a mais recente ação do PCC. Disse que demonstra uma "ousadia inaceitável" por parte do crime.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) acompanha o caso desde sábado por relatos do ministro Márcio Thomaz Bastos (Justiça), que, por sua vez, se manteve em contato com Lembo.

Tarso Genro considerou "correta" a decisão da Globo de cumprir a exigência feita pelos seqüestradores.

Colaborou a Folha de S.Paulo, em Brasília

Leia mais
  • Globo aguarda libertação de repórter, após exibir vídeo do PCC
  • Veja a íntegra do comunicado atribuído ao PCC
  • Globo foi orientada por órgãos internacionais a exibir vídeo do PCC

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre seqüestros
  • Leia o que já foi publicado sobre o PCC
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página