Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/06/2000 - 19h20

Garotinho dava palestra sobre violência no mesmo momento do início do sequestro

Publicidade

da Sucursal do Rio

O sequestro do ônibus teve início no mesmo momento em que o governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PDT), dava uma palestra sobre a cobertura que a mídia faz da violência e sobre a política de segurança do Estado para jornalistas brasileiros e internacionais no 53º Congresso Mundial de Jornais no hotel Intercontinental, em São Conrado, zona sul do Rio.

Do congresso, Garotinho deveria ter ido diretamente para a convenção do PDT, no centro da cidade, onde o partido homologaria a candidatura de Leonel Brizola para a Prefeitura do Rio.

Em vez disso, ele foi para seu gabinete no Palácio Guanabara, sede do governo, em Laranjeiras, para ter informação mais detalhada sobre o sequestro. Segundo sua assessoria de imprensa, Garotinho ficou em seu gabinete acompanhando a ação da polícia contra o sequestrador.

Garotinho, segundo sua assessoria, ficou o tempo todo em conexão direta com o secretário de Segurança Pública, Josias Quintal, que, por sua vez, estava no seu gabinete em conexão com o coronel policial militar José Penteado, comandante do Bope (Batalhão de Operações Especiais).

Garotinho chegou a dizer que Quintal iria acompanha a ação diretamente do local, mas, segundo sua assessoria, foi avaliado que isso não seria necessário por ser o coronel Penteado especialista nesse tipo de ação.

Às 18h30, a assessoria de Garotinho informou que Quintal estava se dirigindo ao Palácio Guanabara para acompanhar a ação ao lado do governador. A assessoria informou que Garotinho só iria fazer qualquer outra coisa após o desfecho do sequestro do ônibus.

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página