Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/06/2000 - 15h35

Garotinho demite comandante da PM

Publicidade

da Sucursal do Rio

Diante de mais uma crise na área de segurança pública, por causa da ação desastrada da polícia no sequestro desta segunda-feira (12), o governador do Rio, Anthony Garotinho (PDT), demitiu hoje o comandante da Polícia Militar, coronel Sérgio da Cruz. Wilton Gomes, chefe do estado maior da PM, assume o cargo.

Garotinho demonstrou irritação com o comportamento dos policiais no desfecho do sequestro do ônibus, no qual duas pessoas morreram. Em rápida declaração, informou que tomou conhecimento do laudo que aponta que o sequestrador foi morto por asfixia. "A polícia asfixiou o bandido. Isso é intolerável, não tem cabimento em lugar nenhum."

Para o governador, o desfecho do caso "foi desastroso, a pior coisa que poderia acontecer". O novo comandante será o coronel Wilton Soares Ribeiro, chefe do Estado Maior da PM.

Apesar de ter decidido demitir Cruz, Garotinho não anunciou nenhuma medida contra o comandante do Bope, coronel José Penteado, responsável direto pela operação.

Embora tenha anunciado a demissão de Cruz como consequência dos fatos acontecidos ontem, essa era, na verdade, uma decisão que o governador vinha estudando pelo menos desde abril.

Naquele mês, uma comissão especial nomeada pelo próprio governador, sob comando do Ministério Público, iniciou investigação a partir de relatório da Ouvidoria da Secretaria de Segurança Pública, no qual Cruz é acusado de não ter apurado 56 denúncias contra crimes de extorsão, sequestro e tráfico envolvendo policiais militares.

O governador afirmou que "a polícia teve desempenho medíocre" no episódio do sequestro.

Para ele, além de terem asfixiado o sequestrador, os policiais cometeram erros ao montar a operação de isolamento que permitiu a aproximação de curiosos numa situação de risco e na reação final do policial que disparou tiros de metralhadora, para o qual "faltou total equilíbrio", afirmou.

As declarações foram feitas na tarde de hoje, depois de seu encontro com Maria Elisângela Gonçalves, irmã de Geísa Firmo Gonçalves, a refém que foi morta.

No encontro, no qual Elisângela esteve acompanhada de uma prima, o governador prometeu apoio pessoal e do Estado à família da vítima. A primeira ajuda seria com o pagamento do translado do corpo de Geísa para Fortaleza (CE), bem como das despesas de viagem da irmã e da prima, que chegaram hoje ao Rio e foram direto do aeroporto para o gabinete de Garotinho.

As duas passaram o dia de ontem sendo conduzidas pessoalmente pelo chefe do Gabinete Militar do governo do Estado, coronel Paulo Melo, e pelo secretário da Casa Civil, Augusto Alriston, que providenciaram para que fossem resolvidos entraves burocráticos no IML e para a viagem de volta a Fortaleza.

Antes do encontro com os parentes da refém morta, que durou 15 minutos, ele havia se reunido com o secretário de Segurança Pública, coronel Josias Quintal.

Nesse encontro, ele decidiu pela demissão do comandante da PM.

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página