Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/06/2000 - 22h33

Coronel diz que atirador não será punido

Publicidade

da Sucursal do Rio

O soldado Marcelo Oliveira dos Santos, 27, que deu o tiro de submetralhadora que atingiu a refém Geísa Gonçalves, não foi punido.

Segundo o coronel José Penteado, comandante do Bope (Batalhão de Operações Especiais), Santos passou esta terça-feira (13) em atividades internas no batalhão, cabisbaixo e sem se alimentar.

Penteado disse em entrevista coletiva ter conversado com o soldado após o tiro e concluiu que ele "está muito abalado."

O comandante afirmou estar "preocupado com a situação dele". Santos trabalha no Bope há cerca de "três ou quatro anos", de acordo com o coronel. Recebeu o treinamento próprio para sua patente. Santos e outro soldado estavam na frente do ônibus por ordem de Penteado. A estratégia era invadir o ônibus se o assaltante começasse a matar as pessoas.

O Secretário de Segurança Pública do Rio, Josias Quintal, disse que qualquer homem do Bope naquela situação poderia tomar a iniciativa de investir contra o criminoso se julgasse oportuno. A ação, no entanto, foi mal executada e mal avaliada, para Penteado.

Santos não está detido. Uma sindicância interna vai apurar detalhes daquilo que a polícia já assumiu como erro.

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página