Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2000 - 21h07

Israelenses treinam libertação de reféns diariamente

Publicidade

GABRIELA ATHIAS da Folha de S.Paulo

Em Israel, país exportador de tecnologia de ação em sequestros, os membros das duas unidades (da polícia e do exército) especializadas na libertação de reféns treinam diariamente.

"Eles não têm outras atribuições, são especialistas", disse à Folha, por telefone, o porta-voz da polícia, Shmuel Ben Ruby.

Ruby disse que o trabalho dessas duas unidades é sigiloso e recusou-se a comentar a atuação da polícia brasileira, no sequestro do Rio, exibida pela TV israelense. José Penteado, que comandou a ação da polícia durante o sequestro, treinou em Israel.

No entanto, Ruby explicou que os comandantes atuam de acordo com o local da operação. Os alvos preferenciais envolvendo civis são ônibus e avião.
Também é importante avaliar o perfil do sequestrador (se tem motivação política ou não) e dos reféns (se são civis ou militares). O jornalista israelense Yossi Levi, especialista em cobertura policial e militar, disse que o sucesso de uma operação depende de quem morre durante o resgate.

"O principal é que nem os reféns nem os soldados morram", disse. "Há consenso em relação aos terroristas: é aceitável que eles sejam mortos durante o resgate, no entanto, se isso ocorre após a operação, os soldados (por mais graduados que sejam) são expulsos da polícia ou do exército e vão a julgamento."

Levi disse que as operações da polícia, quem mais age em casos envolvendo refém civil, têm comando único. Os soldados não tomam iniciativa e são "fortes e muito ligeiros".

Entre 1985, três terroristas sequestraram um ônibus com 20 operárias, em Dimona, no Sul. Quando começaram as negociações, os policiais deitaram-se no chão a cerca de 200 metros do ônibus. Durante a negociação, dois deles subiram pelas janelas e mataram os sequestradores. Uma mulher foi morta, mas a autoria dos disparos não foi esclarecida.

Só para avaliar o nível dos soldados que participam dessas operações, em 1969, o ex-primeiro-ministro Bibi Natanihau e o atual, Ehud Barak, então soldados do exército, libertaram um avião sequestrado perto de Tel Aviv.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página