Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2000 - 22h02

Secretário de Segurança do Rio nega pressão em hospital

Publicidade

da Sucursal do Rio

O secretário de Segurança Pública do Rio, Josias Quintal, negou que os policiais acusados de matar por asfixia o sequestrador Sandro do Nascimento tenham tentado invadir o necrotério do hospital Souza Aguiar ou pressionado o médico plantonista para mudar o boletim de emergência.

"Que apareça esse médico e cumpra sua consciência cívica, pois a Corregedoria esteve no Souza Aguiar e a diretora negou qualquer incidente naquela noite", disse, ao ser perguntado se tinha acionado um coronel para resolver o incidente no hospital.

A Folha apurou ontem que os policiais do Bope foram surpreendidos com a ausência de tiros no corpo do sequestrador no boletim de emergência, pressionaram o médico para que o laudo fosse refeito e ameaçaram invadir o necrotério.

Segundo funcionários, o chefe do plantão ligou para a diretora do Souza Aguiar, Maria Emília Amaral, que acionou o secretário municipal de Saúde, que teria apelado ao prefeito Luiz Paulo Conde. Este ligou para a Secretaria de Segurança, que enviou um coronel para serenar os ânimos.

As autoridades mantiveram o silêncio sobre o caso. A exemplo da diretora do hospital, a assessoria do secretário municipal de Saúde, Ronaldo Gazolla, informou que não existia uma posição oficial sobre o assunto.

Ao ser perguntado pela reportagem da Folha, se havia telefonado para o secretário de Segurança pedindo uma solução para o impasse no Souza Aguiar, o prefeito não negou nem confirmou.

"Não tenho conhecimento desse assunto. Não quero 'fazer marola' em cima disso, pois pode parecer que estou me aproveitando", afirmou o prefeito.

A titular da 15ª Delegacia de Polícia, Martha Rocha, adiou para a próxima semana os depoimentos do médico plantonista que atestou a morte do sequestrador e do detetive da 4ª DP, Ronaldo Mendes, que foi o primeiro a receber o corpo no hospital.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página