Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/06/2000 - 20h09

Família de Geísa não aceita receber salário vitalício como indenização

Publicidade

da Agência Folha, em Fortalelza

A família da professora Geísa Firmo Gonçalves, 20, morta na última segunda-feira durante o desfecho de um sequestro no Rio de Janeiro, não aceita a proposta do governo do Estado de receber um salário vitalício como indenização.

Logo após o assassinato da professora por um possível erro de estratégia da polícia do Rio _os policiais tentavam libertá-la do sequestrador Sandro do Nascimento, que a matou_, o governo decidiu aprovar projeto que concede até três salários mínimos às famílias das vítimas do massacre na favela de Vigário Geral e da chacina da Candelária. O caso de Geísa também seria incluído.

Segundo o coronel da PM cearense Ivan Macedo, tio da jovem, a família não aceita a proposta porque "não tem consistência jurídica". "Qualquer mudança no governo pode derrubar esse projeto e deixar o pai e a irmã da Geísa desamparados", disse.

Ele afirmou que ainda não ficou definido o valor da indenização que será exigido do Estado, mas disse que será o suficiente para "amparar a família e construir uma fundação com o nome da Geísa, com sede em Fortaleza e na Rocinha".

Essa fundação, afirmou, abrigaria crianças carentes e ensinaria artes, como fazia sua sobrinha antes de morrer.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página