Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/10/2002 - 19h28

PF prende suspeitos de extrair ilegalmente diamantes em Rondônia

FABIANO MAISONNAVE
da Agência Folha, em Campo Grande

A Polícia Federal prendeu entre sábado e hoje 14 pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de extração e comércio ilegal de diamantes na região da Reserva Indígena Roosevelt, localizada na divisa entre Mato Grosso e Rondônia. As prisões foram realizadas em Cacoal e Pimenta Bueno, respectivamente a 600 e 680 km de Porto Velho (RO).

Entre os presos está o empresário Renato Marini, de Juína (MT), a 737 km de Cuiabá. Ele é apontado como o chefe do esquema. Segundo a polícia, foram identificados dois garimpos ilegais controlados pelo empresário na reserva.

De acordo com a delegacia da Polícia Federal em Ji-Paraná (RO), para onde os presos foram inicialmente encaminhados, o advogado de Marini, Avelino Tavares Júnior, também foi detido e até a tarde de hoje eles não tinham quem os defendesse. Os presos foram transferidos para Porto Velho.

A polícia também apreendeu 400 pedras de diamante, cerca de R$ 500 mil, um avião monomotor, cinco carros e duas motos, além de equipamentos usados em garimpo.

Bélgica
Batizada de "Operação Diamante - Conexão Bélgica", a investigação sobre a suposta quadrilha começou há três meses, depois que a Polícia Federal prendeu um israelense, em Espigão d'Oeste (RO), a cidade mais próxima da reserva, a cerca de 500 km ao leste de Porto Velho. Segundo ele, existe um esquema de contrabando de pedras do Brasil para o país europeu.

O depoimento do israelense levou a investigar as atividades de Marini, em uma operação que envolveu 40 agentes das superintendências da Polícia Federal em Rondônia e em Mato Grosso.

A extração ilegal de diamantes é um problema recorrente na região. No final do ano passado, a PF prendeu em flagrante na Reserva Roosevelt 29 garimpeiros. A reserva é habitada por índios cintas-largas, xavantes e bororos.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página