Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/08/2000 - 19h29

Promotora decidirá sobre denúncia de policiais do caso de sequestro de ônibus no Rio na segunda

Publicidade

ANA WAMBIER
da Folha de S.Paulo

Só na segunda-feira a promotora Lúcia Glioche do Ministério Público Estadual deverá tomar a decisão de denunciar ou não os policiais militares indiciados por homicídio no caso do sequestro do ônibus 174.

Ela deveria ter se pronunciado nesta quinta-feira (10), mas preferiu usar mais tempo para avaliar todo o relatório entregue pela delegada da 15ª DP (Delegacia Policial), Martha Rocha, que indiciou os policiais.

Ao todo são oito denúncias contra sete PMs. O capitão Ricardo Soares e os soldados Márcio Araújo David, Flávio do Val Dias, Luiz Antônio de Lima Silva e Paulo Roberto Alves Monteiro, todos presos preventivamente desde o dia 17 de julho, foram indiciados por homicídio qualificado (com intenção), que prevê pena de 12 a 30 anos de prisão.

Foram eles que levaram Sandro do Nascimento _o sequestrador do ônibus 174_ no camburão do BOPE (Batalhão de Operações Especiais) até o hospital. Sandro morreu no caminho asfixiado, segundo o laudo do IML (Instituto Médico Legal).

O ex-comandante do BOPE, Jorge Penteado, foi indiciado por dois crimes: prevaricação (por ter omitido informações sobre a morte de Sandro e assim ter protegido os policiais) e homicídio culposo (sem intenção).

O soldado Marcelo Oliveira dos Santos, que fez o primeiro disparo acertando de raspão o rosto da professora, também foi indiciado por homicídio culposo e pode ser condenado de um a três anos de detenção.

Depois do caso do ônibus 174, qual seria a melhor solução para evitar cenas como aquelas? Vote

Clique aqui para ler toda a cobertura do caso na página especial Pânico no Rio

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página