Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/08/2004 - 18h58

Sambista assassinado no Rio pode ter sido confundido com militar

Publicidade

da Folha Online

A polícia de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, investiga a morte do sambista da Caprichosos de Pilares Jackson Martins, 32, assassinado domingo, dia 8, com dois tiros na cabeça durante uma suposta tentativa de assalto. Os criminosos, que estavam mascarados, podem ter confundido o puxador de samba com um militar, uma vez que o carro tinha um adesivo do Exército.

Martins estava num Uno Mile acompanhado da mulher, de dois filhos --um de 6 e outro de 10 anos--, e de duas amigas. Eles foram abordados por dois ocupantes de um Palio branco no trevo da rodovia Washington Luiz, próximo ao Rei do Bacalhau, onde ele ia se apresentar.

Segundo a assessoria da Caprichosos de Pilares, as crianças entraram em pânico quando viram os criminosos armados anunciarem o assalto. Para acalmá-las, Martins teria feito um movimento brusco para o banco de trás. Em seguida, foi baleado.

Enterro

A assessoria da escola de samba afirma que cerca de 10 mil pessoas participaram do enterro do sambista, no final da tarde desta segunda-feira, no Cemitério da Solidão, em Belford Roxo.

O corpo de Martins foi levado por um carro do Corpo de Bombeiros.

Especial
  • Arquivo: veja o que já foi publicado sobre a Caprichosos
  • Veja mais sobre violência no Rio
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página