Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/09/2000 - 02h44

Três projetos definem futuro do gasômetro do Rio

Publicidade

CRISTINA GRILLO, da Folha de S.Paulo

O gasômetro do Rio, que domina a paisagem à saída da ponte Rio-Niterói, está com os dias contados. A área onde desde o início do século é armazenado o gás consumido pelos cariocas está sendo desativada aos poucos.

A previsão é que, em 2005, ele deixe de funcionar, por causa da chegada do gás natural. Em seu lugar, poderá surgir um complexo de lazer, cultura e moradias.

O gasômetro, que ocupa 119 mil m2 em São Cristóvão (zona norte), ficou famoso por um suposto plano de militares de explodi-lo e pôr a culpa em militantes da esquerda, durante o regime militar. O plano, denunciado pelo capitão Sérgio Ribeiro Miranda de Carvalho, o "Sérgio Macaco",
ficou conhecido como "Caso Para-Sar".

Pensando no uso futuro da área, a Prefeitura do Rio participou do concurso internacional de arquitetura "O Modelo Europeu de Cidade", promovido pela cidade de Santiago de Compostela (Espanha), no qual arquitetos de todo o mundo criam projetos para áreas escolhidas em sete países.

"Queremos montar um banco de projetos para a região, mas ainda não sabemos se serão implantados", diz a arquiteta Cristina Micaelo, do Instituto Pereira Passos, órgão municipal responsável pela fase brasileira do concurso.

Dona do gasômetro, a antiga CEG (Companhia Estadual de Gás), privatizada em 1997, hoje chamada Companhia Distribuidora de Gás do Rio, não definiu que uso dará para a área.

De 26 projetos, três foram selecionados para a final do concurso, no fim
do ano. Expostos desde ontem no IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil), mudam radicalmente o perfil da região.

Dois deles conservam os reservatórios de gás -três torres circulares com cerca de 50 metros de altura e diâmetros variando de 42 metros a 50 metros, que podem armazenar de 60 mil a 90 mil metros cúbicos de gás-.

"A estrutura dos reservatórios é muito bonita e por isso decidimos aproveitar sua "pele'", diz a arquiteta baiana Naia Alban, 38.
Naia transforma dois reservatórios em um "portal" de entrada para dois grandes prédios comerciais. Em um deles, cria um shopping no térreo e um cinema multiplex no andar superior. No outro, uma biblioteca e apartamentos voltados a um jardim interno. "Há projeto semelhante em Viena, que tomei como referência."

Para o terceiro reservatório, Naia projetou um local de articulação para as várias garagens e uma grande discoteca.

O projeto do carioca Washington Fajardo dá aos reservatórios um caráter de "produção cultural". "Não quis criar mais um centro cultural, mas dar condição para a produção de cultura, criando espaço para oficinas de arte, dança, teatro." Fajardo usa uma das torres para instalar um cinema multiplex. "É preciso atrair público." Nas outras, instala um teatro e oficinas de arte. O arquiteto planeja unir as torres com passarelas.

Enquanto Naia Alban só preserva os reservatórios e uma chaminé do início do século, Washington Fajardo mantém os galpões construídos pelos ingleses no início do século, em tijolo aparente.

O projeto do arquiteto colombiano Gabriel Jaime Girardo é o único que não preserva os reservatórios. Para a frente do terreno, voltado para as avenidas Francisco Bicalho e D. Pedro 2º, Girardo propõe um grande prédio, que isolaria a área do gasômetro da via expressa que circunda a região. Na parte interna, o colombiano propõe a construção de prédios baixos, para uso residencial, cercado por amplos jardins.

Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página