Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/07/2006 - 11h33

Kenneth Lay, fundador da Enron, morre aos 64

Publicidade

VINICIUS ALBUQUERQUE
da Folha Online

O fundador e ex-presidente da Enron, empresa que foi protagonista de um dos maiores escândalos corporativos da história dos EUA, Kenneth Lay, morreu nesta quarta-feira em Aspen (Colorado), aos 64.

Richard Carson/Reuters
Kenneth Lay, fundador e ex-presidente da Enron
Em um comunicado, a porta-voz da família de Lay, Kelly Kimberly, disse que maiores detalhes sobre a morte do ex-executivo da Enron só serão divulgados depois que os parentes tiverem recebido a notícia.

"Os Lay têm uma família muito grande com quem precisam se comunicar e, em respeito à família, iremos divulgar mais detalhes posteriormente", diz a nota.

Em maio deste ano, Lay foi julgado culpado de dez acusações de fraude bancária, incluindo uma de declarações falsas que pesava contra ele em um caso separado, relacionado a suas finanças pessoais. Em um outro julgamento, o juiz distrital da corte de Houston (Texas), Sim Lake, considerou Lay culpado em quatro acusações de fraude e declarações falsas.

O pronunciamento da sentença de Lay estava previsto para a segunda quinzena de outubro.

A Enron, gigante americana do setor de energia, pediu concordata em dezembro de 2001, após ter sido alvo de uma série denúncias de fraudes contábeis e fiscais. Com uma dívida de US$ 13 bilhões, o grupo arrastou consigo a Arthur Andersen, que fazia a sua auditoria.

Segundo investigadores federais, a Enron criara parcerias com empresas e bancos que permitiram manipular o balanço financeiro e esconder débitos de até US$ 25 bilhões.

O lucro e os contratos da Enron foram inflados artificialmente. A investigação indicou que ex-executivos, contadores, instituições financeiras e escritórios de advocacia foram responsáveis direta ou indiretamente pelo colapso da empresa.

O governo americano abriu dezenas de investigações criminais contra executivos da Enron e da Andersen. Além disso, pessoas lesadas pela Enron também moveram processos.

Lay renunciou ao cargo de presidente da empresa pouco antes desta quebrar. Ele transformou a Enron na sétima maior empresa de capital aberto dos EUA, mas a revelação de uma série de parcerias e esquemas fraudulentos na base das finanças da empresa levou a seu colapso.

Além de Lay, o ex-executivo-chefe da Enron, Jeffrey Skilling, também foi condenado em maio pelo escândalo que quebrou a empresa. Skilling foi julgado culpado em 20 acusações de conspiração, fraude, prestação de declarações de resultados falsos e por vazar de informações privilegiadas.

Durante seu julgamento, sustentou, com Skilling, durante todo o tempo, que não houve nada de errado nos registrou da Enron --a empresa teria sido derrubada pela publicidade negativa, que abalou a confiança dos investidores.

Ele nasceu na cidade de Tyrone, no Estado do Missouri (centro-norte dos EUA). Seu pai tinha uma loja e vendia fogões até se tornar pastor. Lay ajudava no orçamento doméstico quando jovem entregando jornais e cortando grama.

Freqüentou a Universidade do Missouri e trabalhou na Humble Oil & Refining (predecessora da Exxon Mobil). Serviu na Marinha dos EUA e foi subsecretário do Departamento do Interior. Foi executivo da Florida Gas, da Transco Energy em Houston (Texas), e depois chegou a executivo-chefe da Houston Natural Gas (HNG). Em 1985, levou a HNG a fundir-se à InterNorth (Estado do Nebraska, centro-norte dos EUA) para formar a Enron.

Lay se tornou presidente e executivo-chefe da empresa que formou no ano seguinte.

Com agências internacionais

Leia mais
  • Documentário indicado ao Oscar conta saga de Kenneth Lay
  • Fundador e ex-executivo da Enron são julgados culpados nos EUA

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o caso Enron
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página