Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/10/2002 - 13h32

Química: SO2 é o Homem-Aranha da química

LUÍS FERNANDO PEREIRA
da Folha de S.Paulo

Londres, inverno de 1952. Graves doenças respiratórias causam 4.000 mortes na cidade. Atônitos, o povo e as autoridades se perguntam: por quê? Naquela época, as pessoas queimavam carvão para aquecer suas casas. Nesse processo, um dos gases produzidos é o dióxido de enxofre (SO2), que também era liberado pelas chaminés das indústrias. Somados, esses efeitos deram origem a um dos ares mais sujos da história.

Os sintomas da inalação do SO2 vão de uma simples tosse até a morte. Esse gás é perigoso porque, ao se combinar com o vapor de água e com o oxigênio do ar, forma ácido sulfúrico nos pulmões. A reação química é SO2+1/2 O2+H2O H2SO4, a mesma que acontece nas nuvens, quando se forma a chuva ácida.

A chuva ácida tem efeitos catastróficos. Nos lagos, mata os peixes; na agricultura, envenena plantações; nas cidades, corrói prédios e monumentos. Mas, acredite, há quem enxergue um efeito positivo nessa chuva!

Em 1992, o Instituto Finlandês de Pesquisas de Florestas publicou um artigo em que defendia que as árvores européias estão florescendo como nunca graças à... chuva ácida. A idéia é a seguinte: as árvores estariam formando raízes mais fortes e fundas utilizando como fertilizante o sulfato que vem dessa chuva. Se até a chuva ácida pode, talvez, ter o seu lado positivo, por que não o SO2?

O dióxido de enxofre tem mesmo um lado benéfico. Ele é, por exemplo, um ótimo conservante de bebidas e de alimentos. Reage com o O2 do ar (SO2+1/2O2 SO3), impedindo que o oxigênio ataque o produto a ser conservado. Seu uso é considerado seguro porque o SO2 já faz, naturalmente, parte de nosso metabolismo. Ele também mata bactérias e previne o escurecimento dos alimentos. As moléculas que dão cor e sabor às frutas e aos vegetais duram muito mais quando o SO2 está por perto.

E tem mais: há milhares de anos, ele é usado na conservação do vinho. Na época do Império Romano, queimava-se enxofre (S+O2 SO2) ao lado dos barris para que o suco da uva absorvesse os vapores, matando as leveduras que azedam o vinho. Até mesmo seu cheiro sufocante tem utilidade. E na medicina! A asma pode ser diagnosticada por meio de um teste em que o paciente inala pequenas quantidades de SO2.

Às vezes bandido, às vezes mocinho. É o dióxido de enxofre, o Homem-Aranha da química!

Luís Fernando Pereira é professor do curso Intergraus e coordenador de química do sistema Uno/Moderna. E-mail: lula5@ig.com.br

Leia mais:

  • Matemática: A geometria do pedestre

  • Atualidades: A Opep e a crise no Oriente Médio

  • Biologia: A biogeografia e a distribuição dos seres vivos

  • História: O Estado, a cultura e a construção da nação


  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página