Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/06/2001 - 23h44

Palmeiras garante empate de 2 a 2 com Boca no La Bombonera

Publicidade

da Folha Online

A tática do técnico Celso Roth, de buscar um empate no La Bombonera, diante do Boca Juniors, funcionou perfeitamente e o Palmeiras deu um passo importante rumo à classificação à final da Taça Libertadores da América.

Com três volantes -Fernando, Magrão e Galeano-, o time paulista empatou em 2 a 2 com os argentinos hoje à noite, na primeira partida da semifinal do torneio sul-americano, e agora irá decidir em casa, no Parque Antarctica, a vaga à grande decisão. Confira os melhores momentos no lance a lance da Folha Online.

Os erros do juiz paraguaio Ubaldo Aquino impediram que o Palmeiras saísse de Buenos Aires com uma vitória significativa.

Ao contrário do que se esperava, os jogadores não sentiram a pressão vinda das arquibancadas do La Bombonera e o Palmeiras fez um primeiro tempo irrepreensível.

Marcando e tocando bem a bola no meio-campo, a equipe paulista criou boas oportunidades de gol ao mesmo tempo que não permitiu que os argentinos impusessem seu ritmo de jogo. Não fosse um erro grotesco do juiz e o Palmeiras terminaria o primeiro tempo em vantagem no marcador.

Depois de boas chances criadas e desperdiçadas, Felipe fez jogada individual e cruzou na área do Boca. Fábio Júnior escorou e, na tentativa de ajeitar, a bola sobrou para Alex, que fuzilou, fazendo 1 a 0 para o Palmeiras.

O Boca passou a marcar sob pressão no campo do adversário, mas Alex e Felipe, os dois mais habilidosos do Palmeiras, chamaram a responsabilidade para si e continuaram armando as principais jogadas de ataque. O time paulista poderia ter ido para o vestiário com uma folga maior no placar mas os erros de finalização de Lopes e Fábio Júnior impediram.

Mas aos 42min Barijho caiu na área, em lance isolado, cavando o pênalti. O juiz, erroneamente, assinalou a infração, prejudicando a equipe brasileira. Schelotto cobrou bem e empatou: 1 a 1.

O Palmeiras voltou com a mesma disposição para o segundo tempo. Logo aos 8min, Magrão roubou bola no meio-campo e enfiou na medida para Fábio Júnior, que chutou rasteiro, a bola desviou em um zagueiro e entrou vagarosamente no gol do Boca: 2 a 1.

Não deu nem tempo de comemorar. Riquelme aproveitou bobeira geral da zaga do Palmeiras e cruzou na pequena área. Barijho só escorou para as redes, empatando novamente aos 9min.

A partir daí, a partida seguiu equilibrada, com os dois times revezando-se nas chances de gols.

O juiz paraguaio voltou a prejudicar o Palmeiras ao não marcar pênalti escandaloso no volante Fernando, que sofreu falta na área do goleiro Cordoba.

O Boca desperdiçou chance incrível com Gimenez chutando à queima roupa e obrigando o goleiro Marcos a fazer grande defesa.

No final, Fernando e Barijho trocaram empurrões no meio-campo e foram expulsos, sendo desfalques para o jogo de volta, no Parque Antarctica.

BOCA JUNIORS:
Oscar Córdoba; Hugo Ibarra, Jorge Bermúdez, Nicolás Burdisso, Aníbal Matellán; Javier Villarreal (Gaitán), Mauricio Serna, Cristian Traverso, Juan Román Riquelme; Guillermo Schelotto (Gimenez) e Antonio Barijho
Técnico: Carlos Bianchi

PALMEIRAS:
Marcos; Arce, Alexandre, Leonardo, Felipe (Tadei); Magrão, Fernando, Galeano, Alex e Lopes (Basílio); Fabio Junior
Técnico: Celso Roth

Juiz: Ubaldo Aquino (PAR)
Local: La Bombonera, em Buenos Aires
Gols: Alex, aos 19min, e Schelotto, de pênalti, aos 42min do primeiro tempo. Fábio Júnior, aos 8min, e Barijho, aos 9min do segundo.
Amarelos: Serna, Traverso e Schelotto (B); Marcos, Arce, Fernando, Basílio e Galeano (P)
Vermelhos: Carlos Bianchi, Barijho(B) e Fernando (P)

Leia mais sobre a Libertadores:

  • Home

  • Calendário

  • Fase final

  • Classificação

  • Artilheiros

  • Regulamento

  • Campeões

  • História

  • Grupos de discussão

  • Enquete

  • Links



  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página