Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
30/05/2007 - 09h46

Na final, Copa do Brasil opõe táticas de salvação

Publicidade

PAULO COBOS
da Folha de S.Paulo

O que parecia um emprego arriscado vai acabar com o primeiro título da carreira como treinador para um de dois ex-jogadores de primeira linha. E com métodos bem diferentes.

Fluminense e Figueirense, que fazem hoje, às 21h45, no Maracanã, o primeiro jogo da decisão da Copa do Brasil-2007, tinham desempenho tenebroso na temporada até apostarem, respectivamente, em Renato Gaúcho e Mário Sérgio na prancheta.

Para arrumar o time catarinense, que nunca ganhou um título nacional de elite, Mário Sérgio fez uma revolução.

No tricolor carioca, que não conquista nada de primeira linha fora das fronteiras de seu Estado desde 1984, Renato Gaúcho foi bem mais prudente.

Depois de perder sete dos primeiros dez jogos do ano, o Figueirense contratou Mário Sérgio. Ele chegou, indicou uma penca de reforços e, como de costume, inovou na tática.

Seu time se exibe em um 3-4-2-1, com jogadores fora de suas posições. O lateral-direito Ruy, por exemplo, passou para o meio e hoje pode até jogar improvisado na ala esquerda.

Os jogadores aprovam. "Um time vencedor tem que ter um bom comandante. O Mário Sérgio é o nosso espelho. Ele nos escuta e traz muita união para o time", comenta Ruy.

O Fluminense parecia um caso perdido. Mesmo investindo muito antes do início da temporada, o clube fez uma de suas piores campanhas no Estadual do Rio e penava para eliminar adversários de terceira divisão na Copa do Brasil.

Com tudo isso, Renato Gaúcho não viu motivos para começar do zero. Seu time joga com o mesmo 4-4-2 do resto do ano. As caras também são praticamente as mesmas: dos 11 titulares, oito tinham esse mesmo status no início da temporada.

O ex-corintiano Carlos Alberto, antes vaiado pela torcida, ganhou confiança com o novo técnico e melhorou seu rendimento de forma acentuada.

No clube, todos apontam Renato Gaúcho como o responsável pela guinada. "O professor acertou a equipe, e muitos jogadores ganharam confiança com sua chegada", afirma o goleiro Fernando Henrique.

Ex-companheiros no Grêmio, Renato Gaúcho e Mário Sérgio passaram os últimos dias trocando elogios, mas o mesmo clima de cordialidade não se repete com outros envolvidos.

Já a diretoria da equipe carioca quer garantir logo a sua cota de ingressos e a segurança de seus torcedores para o confronto da volta, em Florianópolis, agendado para a próxima quarta no Orlando Scarpelli.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página