Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/04/2002 - 15h50

Revezamento do Brasil perde bronze por 0,4 s no Mundial de natação

Publicidade

da Folha Online

A equipe brasileira ficou com a quarta colocação na final do revezamento 4 x 200 m livre disputada hoje, no Mundial de piscina curta de Moscou. O Brasil perdeu a medalha de bronze porque ficou apenas 41 centésimos de segundo atrás do time dos EUA.

Como consolo, o quarteto brasileiro _formado por Rodrigo Castro, Gustavo Borges, André Cordeiro e Bruno Bonfim_ quebrou o recorde sul-americano, baixando em 24 centésimos o antigo tempo, de 1993.

O ouro ficou com a Austrália, que contou com a estrela Grant Hackett, que não havia competido nos 200 m livre devido a uma crise de bronquite. Os nadadores australianos fizeram o tempo de 7min00s36 e venceram a Rússia (prata) com folga de 5 s.

Contando com o medalhista de ouro nos 200 m livre, Klete Keller, os EUA cravaram 7min08s73, enquanto o Brasil, que foi prata na modalidade individual da prova, com Borges, fez 7min09s14.

Na outra final que disputou no segundo dia de competições nas piscinas do Olympiisky Sports Complex _sede das competições de natação da Olimpíada de Moscou-1980_, o Brasil não disputou as medalhas, mas de novo quebrou um recorde sul-americano.

O catarinense Eduardo Fischer ficou na sexta colocação da final dos 100 m peito, com o tempo de 59s6, na primeira vez que um brasileiro foi a uma final de Mundial na prova. Fischer volta a competir nos 50 m peito e no revezamento 4 x 100 m medley.

"Sinto que ainda podia ter conseguido uma marca ainda melhor, mas estou muito satisfeito e sei que posso evoluir mais", disse Fischer.

O ouro do nado de peito ficou com o ucraniano Oleg Lisogor (58s33, recorde do campeonato), a prata foi para o japonês Kosuke Kitajima (59s10) e o bronze foi vencido pelo finlandês Jarno Pihlava (59s22).

Já as fundistas brasileiras Nayara Ribeiro e Poliana Okimoto precisam esperar o resultado das séries mais fortes das eliminatórias dos 800 m livre, para saber se conseguirão vaga nas semifinais de amanhã.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página