Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/08/2003 - 23h36

Santos vence o Paysandu e fica a um ponto do líder Cruzeiro

da Folha de S.Paulo

Diego não apenas continuou no Santos como também continuou conduzindo o Santos.

Na noite desta quarta-feira, o meia fez um gol e deu uma assistência na vitória de 2 a 0 sobre o Paysandu, resultado que deixou o time de Leão a só um ponto do líder Cruzeiro (52 a 51).

A frustrada transferência para o Tottenham, da Inglaterra, não afetou o desempenho de Diego, que deve seguir no clube até o final do Campeonato Brasileiro.

O Paysandu esteve melhor que o Santos durante boa parte do jogo de ontem, mas não conseguiu neutralizar o criador das ações ofensivas do adversário.

Diego deixou o companheiro Robinho na cara do gol na primeira etapa, mas o atacante, que voltou a atuar como titular, seguiu em sua fase infeliz --chutou fraco para a defesa de Carlos Germano.

Fábio Costa teve na primeira etapa mais trabalho que o goleiro do time paraense. Mas os jogadores do Paysandu falhavam seguidamente na finalização.

O maior susto que a equipe de Ivo Worthmann teve na etapa inicial foi quando Sandro caiu no chão e bateu a cabeça --ficou inconsciente alguns minutos e teve que ser substituído no intervalo.

A grande chance santista no primeiro período saiu de uma cobrança de falta do zagueiro André Luiz. Mesmo de longa distância ele arriscou um chute violento, que obrigou o ex-santista Carlos Germano a fazer uma plástica e difícil defesa. Os goleiros, assim, iam segurando o 0 a 0.

Na segunda etapa, os times voltaram a campo mais ousados. As chances foram criadas pelos dois times, mas o que tinha Diego levou a melhor. O meia bateu escanteio na medida para o zagueiro Alex abrir o marcador aos 17min de cabeça. Três minutos depois, Diego definiu o placar do jogo. Recebeu na entrada da área, se livrou do marcador e foi derrubado quase em cima da linha.

Na cobrança do pênalti, bateu com força na bola e comemorou com bastante entusiasmo demonstrando estar feliz em permanecer jogando na Vila Belmiro.

A partir daí, o jogo caiu de ritmo. O Paysandu, que esteve a ponto de abrir o placar no início do segundo tempo --Fábio Costa fez um milagre em um chute potente de Zé Augusto--, arriscou bem menos no ataque.

Em uma escapada solitária, os paraenses chegaram a descontar no final do jogo com um gol de Aldrovani, mas o juiz apontou impedimento e invalidou o lance --Aldrovani também pode ver seu time perder pontos no tapetão devido a uma possível irregularidade em seu contrato.

Outro pivô de caso no tapetão no Nacional também marcou sua presença na partida. O meia Jerri entrou no lugar do apagado Robinho, que pelo menos deixou o campo sob aplausos, tímidos, dos poucos torcedores presentes.

O Santos, tranquilo em campo --o STJD não deve mesmo tirar pontos do time por uso de atleta irregular--, nem chegou a reclamar muito quando Zé Augusto fez pênalti em Elano, o que poderia resultar no segundo gol de Diego na partida e em uma aproximação ao Cruzeiro no saldo de gols (critério de desempate).

O Santos volta a atuar agora na Vila Belmiro. Uma vitória contra o Flamengo e um tropeço do Cruzeiro, que jogará fora de casa, deixará a equipe da Vila Belmiro na liderança isolada da competição.

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo (Val Baiano), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego; Robinho (Jerri) e Fabiano
Técnico: Emerson Leão

PAYSANDU
Carlos Germano; Borges Neto, Jorginho (Lima), André Dias e Luís Fernando; Vanderson, Sandro (Jairo), Magnum e Vélber (Lecheva); Aldrovani e Zé Augusto
Técnico: Ivo Wortmann

Local: estádio da Vila Belmiro, em Santos
Árbitro: Antônio Hora Filho (SE)
Cartões amarelos: André Luís e Val Baiano (S); Borges Neto, Vanderson, Zé Augusto e Lima (P)
Gols: Alex, aos 16min, Diego, aos 19min, do segundo tempo

Especial
  • Campeonato Brasileiro
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página