Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/04/2004 - 09h15

Fora de São Paulo, volantes também viraram armas ofensivas

Publicidade

da Folha de S.Paulo

Fora de São Paulo, outros volantes também viraram armas ofensivas de suas equipes.

No domingo, o volante Galeano, do Bahia, marcou um golaço de bicicleta no empate de seu time com o Vitória na abertura das finais do Campeonato Baiano. Quando era jogador do Palmeiras, ele era visto apenas como um voluntarioso.

Um rival de Galeano na final na Bahia é o volante Vampeta, ex-corintiano que se destacou como um jogador com qualidade na saída para o ataque.

Ibson, volante do Flamengo que também tem boa chegada à frente, é apontado como uma das grandes revelações do Estadual do Rio nesta temporada. Sua presença no meio-campo dá liberdade para o meia Felipe, mas ele também tem armado as jogadas ofensivas.

No Vasco, o ex-flamenguista Beto, que já atuou como marcador no meio-campo, tem atacado bastante agora --fez gol na partida que garantiu o seu time na final do Estadual.

Em Minas Gerais, o Cruzeiro já havia tido sucesso em 2003 com volantes de boa qualidade técnica, como Wendell, que serviu a seleção no Pré-Olímpico. Nesse torneio, Paulo Almeida, volante mais conhecido pela garra do que pela técnica, virou reserva.

Especial
  • Leia mais notícias no especial do Paulista-2004
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página