Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/01/2006 - 14h29

Analice Nicolau comete gafes no Globo de Ouro

Publicidade

SÉRGIO RIPARDO
Editor de Ilustrada da Folha Online

Quem viu a cerimônia do Globo de Ouro transmitida pelo SBT soltou gargalhadas com as gafes de Analice Nicolau, que apresentava o programa ao lado do crítico de cinema Rubens Ewald Filho, do estúdio da emissora em São Paulo.

Divulgação
Analice Nicolau confunde nomes de artistas
Analice Nicolau confunde nomes de artistas
Analice ganhou fama ao participar da "Casa dos Artistas" e depois virar "âncora de minissaia" de um telejornal sem transmissão ao vivo --algo incomum na TV-- a fim de evitar disparates das apresentadoras.

Na transmissão do Globo de Ouro, Analice estava linda --o penteado moderno, o vestido elegante, mas quando ela abria a boca, até Rubens Ewald Filho tremia nas bases.

Ela confundiu nomes de atores e atrizes. Por exemplo, chamou Mary-Louise Parker, escolhida a melhor atriz de comédia de TV por sua atuação em "Weeds" (GNT), de "Cris". E logo foi corrigida por Rubens.

O momento mais constrangedor foi quando o ator Tim Robbins (que já foi loiro) entrou no palco, e Analice soltou a pérola: "Agora entra no palco o ator Jamie Foxx". Detalhe: Foxx é negro, astro do filme "Ray".

Rubens Ewald Filho já teve de suportar apresentadoras "cinéfilas" mais aplicadas, como Marília Gabriela. Ontem, o crítico perdeu a paciência com Analice. Ela perguntava: "Ainda teremos muitas surpresas nesta noite, né, Rubens?". Ele respondia: "Não, não teremos. 'O Segredo de Brokeback Mountain' vai ganhar". E ganhou.

Analice também precisa, com urgência, tomar umas aulas de inglês --pelo menos um curso técnico, voltado para o cinema. Ela não acertava a pronúncia dos nomes das personalidades.

Na hora de "comentar" que Reese Witherspoon ("Johnny e June") levou o prêmio de melhor atriz de musical ou comédia, a ex-Casa dos Artistas começou a gaguejar (uífes, vífes, uítes, vítes...) até que Rubens Ewald Filho acabou com o suplício da menina dizendo a pronúncia correta.

Os únicos momentos realmente legais de Analice eram as chamadas para os comerciais. Mas nesta hora, dava para perceber que ela havia memorizado ou estava lendo o teleprompter (visor de leitura de textos).

Leia mais
  • Globo de Ouro consagra western gay de Ang Lee
  • Crítica: Luana leva 6 meses para ler livro
  • BBC pede entrevista com Bob Marley 24 anos após morte do cantor
  • Zapping: Gafe obriga Marcelo Rezende a se retratar no ar

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre gafes
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página