Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/02/2007 - 09h01

"A Globo já era", diz autor de novela de sucesso da Record

Publicidade

LAURA MATTOS
da Folha de S. Paulo

Parece coisa de profeta. Em 2002, aborrecido por ter sido demitido da Globo, o autor Marcílio Moraes afirmou à Folha: "Sei fazer novelas e, se algum concorrente me der recursos, sei como bater a Globo".

Cinco anos depois, o improvável aconteceu. Na quarta passada e na anterior, Moraes arregalou os olhos ao ver, no seu computador ligado ao Ibope, a Record ultrapassar a audiência da Globo graças à sua novela das 22h, "Vidas Opostas".

Divulgação
Conheça o novelista da Record que conseguiu bater a Globo no Ibope
Conheça o novelista da Record que conseguiu bater a Globo no Ibope
A vitória foi por sete minutos na semana passada e dez na retrasada, e a diferença chegou a três pontos (26 a 23), na Grande SP. Nas duas ocasiões, a Globo exibia jogos do Palmeiras, que atravessa uma fase ruim. Ainda assim, uma vitória da Record nesse horário é inédita. Fora isso, Moraes, 62, conseguiu o feito apenas dois anos após a retomada da teledramaturgia na TV de Edir Macedo.

Enquanto a Globo exibe a ultraconvencional "Páginas da Vida", "Vidas Opostas" atrai o público por sua ousadia. Metade dos personagens mora na favela, e há um retrato realista dos morros, com cenas violentas envolvendo traficantes de drogas e policiais corruptos. A audiência se amplia desde a estréia e dificulta o crescimento de "Big Brother" e "Amazônia".

Na Globo, Moraes trabalhou de 1984 a 2002, foi parceiro de Dias Gomes e Lauro César Muniz, entre outras grifes, e co-autor de sucessos como "Roda de Fogo", "Mandala" e "Irmãos Coragem". Assinou a bem-sucedida "Sonho Meu", mas a direção da rede nunca o elevou ao primeiro escalão de autores.

Também por isso, a surpreendente liderança de "Vidas Opostas" gera, confessa Moraes, um gostinho de revanche. À Folha, ele fala disso e dos trunfos que o levaram a cumprir a profecia. Leia abaixo.

FOLHA - Ao ser demitido da Globo em 2002, o sr. disse: "Agora estou no mercado. Sei fazer novelas e, se algum concorrente me der recursos, sei como bater a Globo". Profético...

MARCÍLIO MORAES - [risos] É, eu realmente sabia. Acreditava em meu talento. Saí da Globo mais por desentendimento com alguns idiotas lá do que por questão de competência. Meu contrato acabou, e não quiseram renovar. Eles me pediam "remake" e eu não tinha mais saco para fazer. Insistia para que a Globo se abrisse para idéias novas dos autores. A Globo não confiava em mim, mas essa é uma longa história. Um dia vou escrever um livro de memórias pra contar. Mas não vamos falar de Globo! A Globo já era.

FOLHA - Depois de sair da Globo dessa forma, ultrapassá-la no Ibope não tem um gostinho de revanche?

MORAES - [risos] Dá um gostinho bom. Sabia que tinha competência e achava que não era reconhecido. Essa vitória me dá prazer também por vir no bojo de uma abertura de mercado, quando a Globo deixa de ser a única a fazer novelas. Vamos ver se agora deixam de dizer que sou ex-Globo. A Globo é que virou ex-Marcílio [risos].

FOLHA - "Vidas Opostas" passou a Globo apenas por mérito próprio ou a culpa é da fase ruim do Palmeiras?

MORAES - Fundamentalmente, o mérito é da novela. Há uma boa história, que chegou ao clímax e ultrapassou a Globo. Não foi casual, o público vem crescendo desde a estréia. É claro que o futebol pode ter sido uma boa oportunidade, mas a novela enfrenta "Big Brother", "Amazônia". Não é nada fácil.

FOLHA - Quais são os trunfos de "Vidas Opostas" no Ibope?

MORAES - A história é firme. Não é nenhuma novidade, a mocinha pobre que se apaixona por um rapaz rico. Mas as circunstâncias são diferentes, porque pego os dois extremos da pirâmide social. O elenco é bom, a direção do [Alexandre] Avancini, afiada. E pegou a questão da favela, da violência urbana, briga de tráfico e corrupção policial. Essa temática, não usual em novela, despertou curiosidade grande do público.

FOLHA - A Globo exibiria uma novela como "Vidas Opostas"?

MORAES - Creio que não. O investimento na Globo é tão alto que ela fica engessada. O potencial de merchandinsing da minha novela não se compara ao de "Páginas da Vida", que se passa no Leblon, de classe média. Favelado consome pouco.

FOLHA - O seu contrato, como o de Lauro César Muniz, prevê bônus a cada cinco pontos de audiência e paga R$ 1 milhão se chegar a 30?

MORAES - Tem isso. Se der 30, no meu caso, não chega a R$ 1 milhão, não. Mas se der 30, vou te contar, não precisa nem me pagar. Vou achar tanta graça... E acho que até a Globo demitiria meus desafetos e me chamaria de volta [risos].

FOLHA - O sr. é contrário à idéia de o governo decidir a que horas os programas devem ser exibidos. "Vidas Opostas" foi classificada para 21h, e o sr. defendia que fosse 20h, horário recomendado a maiores de 12 anos. Com tantas cenas de violência, acha que uma criança dessa idade pode ver [em busca de ibope, a Record depois decidiu estrear às 22h]?

MORAES- Acho que sim, talvez 14 fosse melhor [21h]. A sociedade é que é violenta, e a violência é parte intrínseca da dramaturgia. O público de Shakespeare podia ver violência e o nosso não pode ver mais? Esse negócio de má influência é vago, acho que a burrice faz mais mal do que a violência. Não é isso que fará a nossa sociedade ficar ruim. O Brasil inteiro viu em TV aberta aquele ônibus 174 à tarde [cena semelhante ajudou a novela a bater a Globo na semana passada]. Era ficção?

Leia mais
  • Vírus "emos" exploram carência do internauta para infectar PCs
  • "Vidas Opostas" volta a bater Globo e fica em 1º na audiência
  • Novela da Record dribla Globo e faz gol no placar da audiência
  • Sei como bater a Globo, profetizou Moraes em 2002

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre "Vidas Opostas"
  • Leia cobertura completa sobre novelas
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página