Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/06/2003 - 11h49

Counter Strike é de longe o jogo mais popular nas LAN Houses

CAROL FREDERICO
da Folha de S.Paulo

Por volta de meio-dia começa um burburinho de adolescentes --em sua maioria rapazes-- que chegam à LAN house mais próxima do colégio em busca de diversão. Às vezes vão sozinhos, para encontrar a galera, ou na companhia do clã, como são denominados os times de quem joga em rede. Da porta para dentro, ninguém mais atende pelo nome, só pelo "nickname" (apelido).

O "Counter Strike" é de longe o jogo mais popular. Você pode escolher entre ser policial ou terrorista, comprar armas de última geração e traçar estratégias para aniquilar o inimigo.

São vários mapas com diferentes cenários --que vão de uma cidade asteca a um galpão em Nova York--, por onde circulam personagens que falam e gemem quando levam tiros. Também é possível trocar mensagens instantâneas durante o jogo. Mas é mesmo na base do grito que a moçada se entende. São coordenadas e resmungos. Além de xingamentos de tudo que é tipo.

Não vale ficar "telando" (olhando a tela do vizinho para localizá-lo) ou dar uma de "camper" (ficar de espreita para matar o adversário pelas costas). Os que armam tocaias são os mais odiados. Novato é "newbie", "cheater" é trapaceiro --porque usa comandos ou programas proibidos durante o jogo-- e ser morto a facadas é sinônimo de humilhação.

"O mais legal é a interação e a proximidade com a realidade. Poder matar um bonequinho controlado pela pessoa do lado é muito legal", diz Uri Leftel, 16, que costuma bater cartão em LAN houses.

LAN houses não são propriamente uma balada, mas funcionam quase sempre como lugar para reunir a turma. "O que diverte é o jogo e o papo que rola depois", explica Daniel, 16.

"Sempre aparece alguém. Nesse horário, por exemplo, é fácil você me encontrar ou ele por aqui", brinca Guilherme Perez, 16, referindo-se ao amigo Daniel Elias, 15. Guilherme estuda à tarde e vai diariamente à LAN house antes da aula. Mesmo assim mantém média sete no boletim: "Dou uma estudada pela manhã", explica.

As atenções se voltam para o jogo, e volta e meia alguém que está largadão na cadeira se esborracha no chão. Logo todos caem na gargalhada. "Sempre tem o que zoa todo mundo, mas não gosta de ser zoado", diz Leonardo Teixeira, 15.

Há gente de todas as idades, mas, de acordo com a maioria --os adolescentes--, os "pirralhos" são sempre os mais pentelhos. "Eles são muito rápidos, espertos e elétricos", fala Ana Cristina Corso, 16, que mesmo sendo minoria entre os garotos se considera uma "rata de computador que adora games".

E se o ambiente é bom para encontrar colegas, dificilmente rola uma paquera. Quando as meninas aparecem é porque foram arrastadas pelos namorados.

Leia mais
  • Estudos destacam lado bom dos games, mas alertam contra excessos
  • Vereador de São Paulo propõe regulamentação de casas de jogos
  • Estudante mostra em filme a mania dos jogadores em rede
  • Conheça os prós e contras indicados em pesquisas sobre games
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página