Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/10/2007 - 20h17

Segundo grupo de refugiados palestinos desembarca no Brasil

Publicidade

da Folha Online

Um grupo de 36 refugiados palestinos que moravam no campo de Ruweished, na Jordânia, desembarcou nesta sexta-feira no Brasil. Os refugiados foram acolhidos pelo Programa de Reassentamento Solidário do Ministério da Justiça.

No dia 21 de setembro, um primeiro grupo de 35 refugiados palestinos que vieram do mesmo local, chegou ao Brasil. Eles foram abrigados em cidades do interior de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

O termo refugiado palestino designa as pessoas que fugiram ou deixaram a Palestina em razão da guerra árabe-isralense de 1948 e se estende a seus descendentes. Na época, palestinos se estabeleceram em países como Líbano, Síria, Iraque e outros.

Os refugiados que o Brasil acolhe atualmente estavam no Iraque e saíram do país devido ao conflito iniciado em 2003. Eles acabaram por se estabelecer no campo de refugiados da Jordânia, que fica a 70 quilômetros da fronteira com o Iraque.

O terceiro e último grupo chegará ainda este ano, de acordo com o Ministério da Justiça. Ao todo, o governo brasileiro divulgou que acolherá, aproximadamente, cem vítimas da violência sectária no Iraque.

Assim como outros palestinos, tornaram-se vítimas de prisões arbitrárias, desaparecimentos e torturas por parte de milícias armadas xiitas. Muitos conseguiram fugir para a Jordânia e Síria, onde foram abrigados em campos na fronteira com o Iraque.

Na Jordânia, primeiro país de refúgio, os palestinos não eram reconhecidos pelas autoridades locais. Por isso, não encontraram a segurança e liberdade desejadas, uma vez que não tinham o direito de entrar e sair do acampamento, salvo em casos de emergência, e eram sujeitos a privações e perigos.

A decisão do governo de receber os palestinos foi tomada em maio pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), presidido pelo Ministério da Justiça. O Conare é formado por outros órgãos federais e entidades não governamentais, como o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

De acordo com o Conare, o Brasil possui cerca de 3,4 mil refugiados reconhecidos, provenientes de 69 nacionalidades diferentes.

Acompanhe as notícias em seu celular: digite wap.folha.com.br

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página