Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/03/2008 - 02h36

Alto comandante dos EUA esteve em Bogotá antes de operação contra Reyes

Publicidade

da Folha Online

Um alto comandante militar americano esteve em Bogotá (Colômbia) dois dias antes do bombardeio de sábado contra o acampamento equatoriano no qual foi abatido o "número dois" da guerrilha das Farc, "Raúl Reyes".

A visita foi registrada de maneira breve pelo site das Forças Militares da Colômbia, mediante uma fotografia datada do dia 28 de fevereiro.

O contra-almirante Joseph Nimmich, diretor da Força Tarefa Conjunta Interagencial do Sul dos Estados Unidos, foi recebido no Comando Geral das Forças Militares.

O objetivo da visita foi o de "compartilhar informação vital sobre a luta contra o terrorismo", segundo o texto da fotografia.

Na foto, o comando americano aparece com o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Militares da Colômbia, o almirante David René Moreno Moreno.

A presença do comando americano nos dias anteriores à operação contra Raúl Reyes e o motivo informado de sua visita gera rumores que correm no país sobre um suposto apoio americano à ação militar.

A morte de Reyes e a invasão colombiana do Equador provocou repercussão mundial com a possibilidade de um conflito armado na região.

Ao menos 17 guerrilheiros das Farc morreram no ataque do Exército da Colômbia.

O governo dos EUA pediu calma e fez um apelo para que Equador e Colômbia resolvam suas diferenças por meio da OEA (Organização dos Estados Americanos).

A morte de Reyes e os rumores de que ele havia tido contato com autoridades equatorianas "são assuntos os quais os governos de Equador e Colômbia devem resolver juntos e esperamos que essa solução conduza a um rápido retorno às relações normais", disse Barbara Rocha, uma porta-voz do Departamento de Estado dos EUA.

"Pedimos calma ao Equador e à Colômbia para resolver este incidente diplomático", disse a porta-voz. Ela também afirmou que os EUA "estimam sua forte relação com ambos os países, incluindo o papel do Equador no combate ao narcotráfico".

Com Efe

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página