Itaú Cultural afirma nunca ter sido questionado sobre obras de Emil Bauch

Instituição diz que vai colaborar com a Biblioteca Nacional para esclarecer os fatos

Ivan Finotti
São Paulo
Obras de Emil Bauch
Catálogo da coleção Brasiliana mostra as gravuras do Itaú Cultural - Reprodução

Em nota de esclarecimento enviada à Folha, o instituto Itaú Cultural afirma que está colocando as obras à disposição para perícia.


"A Coleção Brasiliana Itaú foi constituída em linha com os preceitos que norteiam o trato do patrimônio histórico e cultural brasileiro. As oito litografias de Emil Bauch a que se refere a reportagem da 'Folha de S.Paulo' estão inseridas nesse contexto.

Importante registrar que a grande maioria das obras integrantes da Coleção Brasiliana Itaú, incluindo as litografias de Emil Bauch, não são exemplares únicos. Ao contrário, são livros, gravuras e registros visuais que compõem ou compuseram edições de livros e outras publicações das quais existem múltiplos exemplares em circulação no Brasil e exterior.

As litografias mencionadas foram adquiridas do pesquisador Ruy Souza e Silva, que informou tê-las comprado de tradicional casa inglesa, especializada na comercialização de livros e manuscritos raros, conforme consta de documentos relacionados a tais peças, fato este confirmado por auditoria realizada no acervo em 2016.

Em 2009, o Itaú Cultural iniciou um amplo conjunto de ações para democratizar o acesso e dar visibilidade à sua coleção, tornando-a acessível a pesquisadores, colecionadores e ao público em geral.

Entre essas ações, destacam-se o lançamento do livro 'Brasiliana Itaú - Uma Grande Coleção Dedicada ao Brasil', a realização de exposições da coleção em seis capitais do país e, a partir de 2014, a instalação de uma mostra permanente no espaço Olavo Setubal, no Itaú Cultural. Essas iniciativas já alcançaram mais de 450 mil pessoas.

O Itaú Cultural firmou ainda, em 2015, parceria com a Pinacoteca do Estado de São Paulo, a Fundação Biblioteca Nacional e o Instituto Moreira Salles para a criação de um portal na internet, com o objetivo de apresentar ao público as coleções brasilianas existentes no país. O portal foi ao ar em 2017 e as obras de Emil Bauch figuram entre as peças exibidas na plataforma.

Essas ações reafirmam a boa-fé e a lisura da instituição. Desde que tiveram início os esforços de dar publicidade ao seu acervo, o Itaú Cultural não foi contatado por qualquer instituição pública ou privada para questionar a origem de suas obras.

Após ser informado pela 'Folha de S.Paulo' da existência de questionamento sobre a origem das litografias de Bauch, o Itaú Cultural imediatamente entrou em contato com a Biblioteca Nacional e, em seguida, enviou ofício à instituição colocando as obras à disposição para verificação. O Itaú Cultural tem todo o interesse em dirimir as dúvidas surgidas em torno das obras de Bauch e vai trabalhar em estreita colaboração com a Biblioteca Nacional para esclarecer os fatos."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.