Reabertura do Sesc reforça corredor cultural da Avenida Paulista

Após reforma de R$120 milhões, unidade terá exposição inaugural do videoartista Bill Viola

Isabella Menon
São Paulo

A avenida mais famosa de São Paulo ganha um novo espaço cultural a partir deste domingo (29). O Sesc Avenida Paulista será reaberto ao público, após oito anos de reformas.

O prédio, projetado pelos arquitetos Sérgio Pileggi e Euclides de Oliveira nos anos 1970, foi repaginado pelo escritório de arquitetura Königsberger Vannucchi e soma-se agora a um grupo de novas instituições da região, como a Japan House e o Instituto Moreira Salles, inaugurados em 2017. 

O edifício reúne atrativos, como um mirante em sua cobertura e quatro andares com pés-direitos duplos, pensados como pavimentos para exposições e espetáculos.

Uma das características destacadas pela estrutura é uma área de circulação na lateral do edifício. O espaço, vazado, interliga os pavimentos com escadas e permite a vista para as paisagens urbanas. 

Foram investidos R$120 milhões na reforma, iniciada em 2010. Desse montante, R$100 milhões foram utilizados para a reestruturação, e R$20 milhões, para a aquisição de novos equipamentos, como aparelhos para academia e consultório odontológico.

 

Cada andar é destinado a uma atividade. O 3º, por exemplo, é um espaço lúdico para crianças, e o 4º, um laboratório de tecnologia e artes. 

A unidade será inaugurada com uma exposição que traduz os pilares da unidade: arte, corpo e tecnologia. 
Dedicada ao pioneiro da videoarte Bill Viola, a mostra ocupa o 5º andar com 12 obras do artista americano.

Apesar de ser reconhecido como um dos artistas mais importantes da atualidade, Viola, 67, terá, assim, sua primeira individual em São Paulo. 

Os trabalhos expostos abordam o ciclo que engloba vida, a morte e renascimento. 

“Ele sempre trata da morte de forma orgânica e positiva. Está sempre acompanhada do renascimento, como se fosse um ciclo”, diz Kira Perov, mulher do artista e diretora-executiva do estúdio de Viola. Por motivos de saúde, o artista não virá para a inauguração da mostra. 

Em uma das salas expositivas, ficará a instalação “Man Searching for Immortality/Woman Searching for Eternity” (Homem em busca de Imortalidade/Mulher em busca de Eternidade, em tradução para o português). 


Trata-se de um conjunto de dois vídeos, exibidos lado a lado, em que um casal de atores idosos ilumina e analisa seus corpos, valendo-se da câmera como uma espécie de espelho.
 

Para Perov, essa é uma das obras mais marcantes do artista. “A instalação fala sobre o fim da vida”, afirma ela. 

“A utilização do slow motion [efeito de câmera lenta, emulado pelos atores] alonga as emoções e permite que o visitante veja detalhes que poderiam passar despercebidos.” 

“Bill Viola - Visões do Tempo” não foi concebida como uma retrospectiva.

As obras reunidas na exposição foram produzidas ao longo dos últimos 20 anos da carreira do videoartista. Ainda assim, o início de sua atuação está contemplado.

Uma programação paralela, com vídeos experimentais feitos pelo artista nas décadas de 1970 a 1990, como “The Reflecting Pool” (a piscina refletora, 1977-1979), terá lugar na quarta (2/5), das 20h às 22h. 

Sesc Avenida Paulista
A partir deste domingo (29), das 12h às 19h, Av. Paulista, 119; ter. a sáb., das 9h às 22h, dom. e feriados, das 10h às 19h;  “Bill Viola - Visões do Tempo”, grátis, até 9/9

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.