Harvey Weinstein se declara inocente de terceira acusação sexual na Justiça americana

Produtor de cinema dos EUA é alvo de processos após mais de 70 denúncias de assédio e estupro

Nova York

Harvey Weinstein se declarou inocente, nesta segunda-feira (9), da acusação de que teria agredido sexualmente uma mulher em 2006, no terceiro caso de agressão sexual apresentado contra ele.

O produtor de cinema já havia se declarado inocente de outras acusações nas últimas semanas.

Mais de 70 mulheres, a maioria jovens atrizes e funcionárias de outras áreas da indústria do cinema, acusaram o cofundador do estúdio Miramax de assédio sexual, incluindo casos de estupro, em uma série de incidentes que datam de décadas atrás.

O produtor de cinema Harvey Weinstein é conduzido algemado por policiais para audiência na Justiça em Nova York, nos EUA
O produtor de cinema Harvey Weinstein é conduzido algemado por policiais para audiência na Justiça em Nova York, nos EUA - Brendan McDermid/Reuters

As acusações deram origem ao movimento #MeToo, no qual centenas de mulheres acusaram publicamente poderosos empresários, políticos e figuras da indústria do entretenimento de abuso e assédio sexual.

Weinstein foi preso em maio e foi levado algemado ao tribunal para sua primeira audiência, se declarando inocente das acusações de ter agredido sexualmente duas outras mulheres, uma em 2004 e uma 2013.

Ele foi solto após pagar fiança de um milhão de dólares (cerca de R$ 3,8 milhões).

O produtor tem negando repetidamente ter tido qualquer relação sexual não consensual.

Procuradores argumentam que Weinstein praticou sexo oral à força em uma mulher no caso de 2006. As acusações mais recentes incluem duas de agressão sexual predatória, que pode implicar em prisão perpétua, e uma de ato sexual criminoso.

REUTERS

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.