Engajada politicamente, Portugal The Man promete surpresinha no Lollapalooza

Banda americana é um dos principais nomes na abertura do festival no Brasil

São Paulo

Um dos destaques do primeiro dia de Lollapalooza, o grupo americano Portugal The Man pisa em São Paulo prometendo uma "surpresinha" ao tocar nesta sexta-feira (5), às 14h50, no palco Onix.

"Não tem graça se a gente adiantar o que vai ser", disse à ​Folha o baterista Jason Sechrist.

Uma pista, no entanto, mora ao lado. A banda tem um histórico de engajamento em causas sociais e, na última apresentação, que ocorreu neste sábado (30) no Chile, foram colocadas em um telão mensagens de cunho político sobre questões locais.

"Respeitamos a todos. Queremos que as pessoas tenham liberdade, água limpa e coisas básicas da vida", afirmou Sechrist —um dos pedidos da banda no show foi o fim da privatização da água no país.

Se não está claro se Portugal The Man abordará questões políticas no Brasil, uma coisa é certa: certamente eles apresentarão uma seleção de seu rock alternativo com pegadas de hip hop e de psicodelia.

O grupo surgiu no começo dos anos 2000, no estado americano do Alasca. Apesar disso, eles adotam o apelido de "Lords of Portland" (ou "Senhores de Portland", cidade nos EUA que é base da banda).
A relação com o país europeu que batiza a formação, aliás, é nula. A referência não passa de uma brincadeira.

Além de Sechrist, integram o conjunto no Brasil John Gourley (vocalista), Zachary Carothers (baixo) e Eric Howk (guitarra) e Kyle O'Quinn (teclados e sintetizadores).

Mas o grupo ficou mais conhecido quando adicionou pitadas de pop no álbum "Woodstock", de 2017 —o mais recente a ser lançado, oitavo da carreira. O sucessor está em produção, ainda sem data.

Boa parte do estouro se deve à música "Feel It Still", que rendeu um Grammy em 2018, além de chegar ao topo das paradas em diversos países.

A faixa badalada virou alvo de disputa com o Jonas Brothers e a música "Sucker". Em redes sociais, os integrantes do Portugal The Man acusaram o grupo de plágio.

Sechrist não quis comentar a disputa nem dizer se pensam em judicializar a questão. "Digamos que nós entendemos a situação", limitou-se.

Até porque a banda também recebeu acusações de plágio em relação à própria faixa e teve repetidamente que esclarecer a relação dela com outra canção: "Please Mr. Postman", do grupo feminino The Marvelettes, na ativa nos anos 1960, cuja melodia é aproveitada em "Feel It Still".

No Twitter, o Portugal afirmou que a banda "sempre agradeceu" aos criadores da melodia original.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.