Descrição de chapéu

Temporadas sinfônicas de 2020 trazem surpresas para SP

Muito Beethoven, em diálogo com músicos do século 20, bons pianistas e o guitarrista Pat Metheny

Sidney Molina
São Paulo

Com o anúncio da série Tucca de concertos internacionais, é possível ter já uma visão da agenda 2020 da música clássica em São Paulo. As casas de ópera, no entanto, ainda não informaram o que farão.

Após o Mozarteum ter deixado de oferecer concertos regulares por assinatura, a programação de música clássica e jazz da Tucca , a Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer, tem aumentado sua importância, e se colocado ao lado das de Cultura Artística e Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo).

Basta lembrar que um dos concertos mais aguardados de 2019 é o da English Baroque Orchestra com o Coro Monteverdi dirigidos por John Eliot Gardiner, trazidos pela Tucca, que acontece no dia 9 de novembro, na Sala São Paulo.

 

Em 2020 a série internacional da associação completa 20 anos, e traz a São Paulo atrações como o Jerusalém Chamber Music Festival Ensemble, em 13 de maio, a holandesa orquestra de câmara Concertgebouw com a violinista americana Sarah Chang, em agosto, e a Orquestra de Câmara de Stuttgart, em outubro.

A programação de jazz é também extraordinária, bastando citar as presenças do guitarrista americano Pat Metheny, em 16 de março, e do grupo vocal Take 6 se apresentando com o Gregoire Maret Trio, em setembro.

Anunciado na semana passada, o prêmio Gramophone de música de câmara —uma das mais prestigiosas distinções internacionais da área— foi concedido ao álbum “Les Trois Sonates (The Late Works)”, com obras de Debussy, gravado por, entre outros, os virtuoses Isabelle Faust (violino), Antoine Tamestit (viola), Jean-Guihen Queyras (violoncelo) e Alexander Melnikov (piano).

Para se ter uma ideia da força da programação da Osesp, os quatro estarão presentes na temporada 2020 da orquestra paulista, e Tamestit ainda será o artista em residência do ano.

A Osesp homenageará os 250 anos de Beethoven por meio de um criterioso inventário de sua produção. Ela apresentará a “Missa Solemnis”, na abertura da temporada, em 5 de março, e as “Sinfonias” n.1 a n.8 com regência do suíço Thierry Fischer, o novo maestro titular. Além disso, apresentará as 32 sonatas e os cinco concertos para piano (o que inclui solistas como Paul Lewis e Jean-Efflam Bavouzet), os últimos quartetos de cordas e a integral para cello e piano.

Chama especialmente atenção o desenho dos programas dirigidos por Fischer, nos quais Beethoven dialogará com obras da Segunda Escola de Viena (Arnold Schoenberg e Alban Berg), de Pierre Boulez e Tristan Murail.

Entre as encomendas se destaca a estreia, em setembro, de uma obra para violino, violoncelo e orquestra do australiano Brett Dean.

A temporada de assinaturas Cultura Artística também irá enfatizar obras de câmara de Beethoven nas apresentações do Trio Wanderer, em março, da Orquestra de Câmara Nouvelle Europe, do Quarteto Hagen, em abril, e, em setembro, do duo Gautier Capuçon (cello) e Jerôme Ducros (piano).

Despertam interesse ainda a vinda de pianistas como Nikolai Luganski (com a Orquestra Nacional Russa), Daniil Trifonov, em junho, e Khatia Buniatishvil, em outubro.

Tucca

  • Preço Assinaturas de R$ 450 a R$ 2970. Pelo tel. 2344-1051 ou ingressos@tucca.org.br

Cultura Artística

  • Preço Assinaturas de R$ 500 a R$ 3800. Pelo tel. 3256-0223 ou culturaartistica.org

Osesp

  • Preço Séries fixas: de R$ 250 a R$1570; séries flexíveis: de R$ 50 a R$ 190. Pelo tel. 3777-4980 ou osesp.art.br/assinaturas

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.