Descrição de chapéu Coronavírus

Naomi Munakata, uma das principais regentes do Brasil, morre vítima de coronavírus

Nascida em Hiroshima, no Japão, ela estava internada desde o dia 16 de março em São Paulo

São Paulo

Uma das mais importantes regentes brasileiras, Naomi Munakata morreu nesta quinta-feira (26), aos 64 anos. Ela estava internada desde o dia 16 de março no hospital Oswaldo Cruz, em São Paulo. No último dia 19, seu teste para a Covid-19 deu positivo.

Mesmo tendo apresentado uma melhora no quadro clínico nos últimos dias, Munakata teve uma piora abrupta durante a noite, que evoluiu para um choque séptico. A maestrina morreu por volta do meio-dia.

Nascida em Hiroshima, no Japão, em 31 de maio de 1955, Naomi Munakata se mudou para o Brasil com a família aos dois anos de idade. A família veio de navio, onde seu pai, o regente Motoi Munakata, montou um coral com os passageiros durante a viagem. O grupo quis continuar se reunindo após chegar a São Paulo —e foi assim que seu pai formou seu primeiro coral no Brasil.

Munakata disse em entrevista que, quando era criança, ficava brincando próxima aos ensaios do grupo. Aos quatro anos de idade, passou a estudar piano. Aos sete, entrou para o coral do pai. “Ele obrigava todos os filhos a estudar piano e, após o jantar, tínhamos a opção de lavar a louça ou ir tocar. Eu preferia tocar”, contou.

Depois, acompanhou coro em igrejas, estudou violino e harpa e se formou em composição e regência na Faculdade de Música do Instituto Musical de São Paulo. Premiada como melhor regente coral pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, a APCA, continuou seus estudos na Universidade de Tóquio após conseguir uma bolsa do governo japonês. “Sempre gostei mais de trabalhar com coro do que com orquestra, é a minha linguagem”, afirmou.

Munakata foi diretora da Escola Municipal de Música de São Paulo e do Coral Jovem do Estado. Sua atuação mais notável, no entanto, foi como regente titular do Coro da Osesp, que dirigiu por duas décadas, de 1995 a 2015 —período que a lançou ao reconhecimento internacional.

O Coral Paulistano, que atualmente tem como regente titular a maestrina Naomi Munakata
O Coral Paulistano, regido por Naomi Munakata - Wilian Aguiar/Divulgação

“Naomi Munakata construiu um coro profissional que encantou a todos os regentes que passaram pela Osesp”, diz Claudia Toni, diretora-executiva da Osesp na época em que a orquestra e o coro foram reformulados. “A partir dele, ela foi estruturando uma área na Osesp que incluiu um coro infantil e um juvenil. Mais do que isso, ela estabeleceu um novo patamar para a música coral na cidade."

Em 2007, a regente guiou o coro na missa de sétimo dia do empresário Octavio Frias de Oliveira, publisher da Folha. Na ocasião, foram executados trechos da peça "Requiem", de Gabriel Fauré, importante nome da música erudita francesa.

Munakata era atualmente regente honorária do Coro da Osesp e regente titular do Coral Paulistano Mário de Andrade, do Theatro Municipal de São Paulo.

Maíra Ferreira, sua assistente no Municipal desde 2016, conta que Munakata era uma profissional presente na vida de todos os membros do conjunto. “Meu aprendizado com ela foi enorme e diário. Ela me ensinou a organizar um ensaio, pensar numa programação. Dizia: ‘você precisa respirar com seu corpo, com seu rosto, precisa respirar com o coro’.”

Segundo Ferreira, há alunos da maestrina trabalhando com música em diversas partes do mundo. “Ela era uma pessoa que abria as portas para os outros, falava com muito orgulho desses alunos. Espero ser para os meus um pouquinho do que ela foi para mim”, completa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.