Setor de serviços interrompe duas altas seguidas com queda em novembro

Resultado foi puxado pelo setor de transportes, influenciado pela dificuldade no setor industrial

Rio de Janeiro

O volume de serviços no Brasil caiu 0,1% em novembro, interrompendo duas altas seguidas do setor em 2019, divulgou nesta terça-feira (14) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No mês anterior, a taxa subiu 0,8%, maior variação para a época desde 2012.

Já em relação a novembro do ano anterior, serviços cresceu 1,8%, enquanto no acumulado de janeiro a novembro de 2019 a alta foi de 0,9%.

O resultado de novembro pode ser explicado pelo recuo no setor de transportes, influenciado pela dificuldade no setor industrial, que acompanhou queda no transporte rodoviário de cargas.

“Então, se há uma perda de ritmo na indústria, isso acaba impactando o transporte rodoviário de cargas”, disse Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa do IBGE.

Na semana passada, o IBGE divulgou que a produção industrial caiu 1,2% em novembro, interrompendo três meses seguidos de alta.

0
Vista das lojas em liquidaçã no Vale Sul Shopping, em São José dos Campos, São Paulo - Lucas Lacaz Ruiz - 4.jan.19/Folhapress

O setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio registrou queda de 0,7%, pressionado baixa dos segmentos de transporte terrestre (-1,6%), de armazenagem e serviços auxiliares aos transportes (-1,1%) e de transporte aéreo (-3,3%).

Os outros recuos de novembro ficaram com serviços prestados às famílias (queda de 1,5%) e serviços de informação e comunicação (-0,4%). O setor de serviços apresentou queda em três das cinco atividades pesquisadas.

“O recuo em serviços de informação e comunicação foi em decorrência da diminuição de serviços na tecnologia da informação e da exibição cinematográfica. Outro recuo foi nos serviços prestados às famílias, relacionado ao hotéis e serviços de bufê”, disse o gerente da pesquisa.

De acordo com o IBGE, as taxas foram positivas do mês de novembro ficaram com outros serviços (1,7%) e nos serviços profissionais, administrativos e complementares (0,1%).

Na análise regional, o volume de serviços recuou em 16 das 27 unidades da federação. Os principais registros negativos ficaram com Mato Grosso (recuo de 5,7%), Minas Gerais (-1,1%), Pernambuco (-3,0%), Santa Catarina (-1,8%) e Espírito Santo (-3,5%). 

Por outro lado, os principais resultados positivos em termos regionais vieram do Rio de Janeiro (0,8%) e do Distrito Federal (0,9%).

O gerente da pesquisa Rodrigo Lobo viu o resultado como reflexo dos dois meses anteriores com registros positivos.

"É uma acomodação dos últimos dois resultados. Tivemos setembro com alta de 1,5% e outubro com alta de 0,8%, acumulando 2,2% no período. Se analisamos de julho a novembro, o volume de serviços cresceu 2,9%”, disse Lobo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.