Aliança entre Brasil e EUA está 'mais forte do que nunca', diz conselheiro da Casa Branca

John Bolton faz declaração após encontro com chanceler Ernesto Araújo em Washington

Washington | AFP

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, afirmou nesta terça-feira (5) que as relações entre o Brasil e os EUA atravessam seu melhor momento.

"A aliança EUA-Brasil está mais forte do que nunca", afirmou Bolton nas redes sociais, após se encontrar em Washington com o chanceler Ernesto Araújo.

Bolton foi o primeiro funcionário de alto escalão dos EUA a se encontrar, no fim de novembro, com o então presidente eleito Jair Bolsonaro. 

No encontro na Casa Branca nesta terça, Bolton disse que falou com Araújo sobre a crise político-econômica e humanitária na Venezuela.

O conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton - Mandel Ngan - 28.jan.19/AFP

"Discutimos o apoio mútuo ao presidente interino da Venezuela, [Juan] Guaidó, incluindo a logística para fazer chegar a assistência humanitária ao povo venezuelano", escreveu ainda Bolton.

Guaidó foi reconhecido pelos governos Bolsonaro e Trump no dia 23 de janeiro, logo após ter se declarado presidente encarregado do país. 

Com o apoio de dezenas de países, Guaidó aumentou a pressão nesta terça pela entrada da ajuda humanitária no país, em uma ação que desafia o governo do ditador Nicolás Maduro, que a considera um passo para uma intervenção militar. 

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (dir.), e o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, se encontram em Washington - Yuri Gripas/Reuters

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, foi outra autoridade americana a se encontrar com Araújo em Washington.

A jornalistas Araújo rejeitou que tropas americanas ou de outro país utilizem território brasileiro para fazer chegar a ajuda aos venezuelanos.

“Qualquer que seja a maneira de chegar ajuda humanitária, a gente tem certeza de que não é necessário ter tropas americanas ou de outro país [no Brasil]. Teríamos condições de proporcionar a logística para isso com os nossos próprios meios”, disse.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.