Descrição de chapéu Venezuela

Engenheira venezuelana vira cozinheira e atriz de série da Globo no Brasil

Rosalva Cardona não queria que seu filho se acostumasse à falta de produtos básicos na Venezuela

Flávia Mantovani
São Paulo

Era sua primeira experiência como atriz e Rosalva Cardona precisava chorar em uma cena. Pediu que trouxessem seu celular e deu play em um áudio que sua avó, que mora na Venezuela, lhe mandara.

Na gravação, ela agradecia à neta por um dinheiro que tinha recebido e caía em prantos. Como já esperava, Rosalva se emocionou. “Precisava chorar e chorei. Copiosamente”, conta. 

Rosalva, 36, é venezuelana e estreou na semana passada na série “Segunda Chamada”, da TV Globo em coprodução com a O2 Filmes. Engenheira eletricista, ela foi selecionada entre dezenas de conterrâneas para integrar o elenco principal da produção, interpretando Alejandra, uma imigrante de seu país. 

Outro venezuelano, Gabriel Diaz, interpreta Javier, seu irmão na série —que aborda o cotidiano de uma escola de ensino noturno para jovens e adultos. O primeiro capítulo foi ao ar na terça-feira (8), e a produção é veiculada toda terça à noite.

Retrato da refugiada venezuelana Rosalva Cardona, que atua no seriado 'Segunda Chamada', da Globo - Karime Xavier/Folhapress

Mãe de um garoto de nove anos, Rosalva deixou a cidade de Puerto Ordaz em 2015, com o filho e o marido. Estava cansada da escassez de produtos devido à crise econômica e da insegurança que tomou conta do país. Sequestros relâmpago se tornaram comuns, e dois vizinhos foram vítimas. 

“Se você via um carro atrás de você há muito tempo, já se assustava. As festas de aniversário começaram a ser feitas durante o dia, porque à noite ficou perigoso sair. Existia um toque de recolher não anunciado, às 18h ninguém mais saía de casa”, relata.

A gota d’água foi quando o filho pediu para comer cereal com água, pois não tinha leite no mercado. “Aquilo me impactou. Não queria que ele crescesse acostumado a isso, que achasse normal as coisas faltarem. E estou falando de produtos básicos: leite, ovos, queijo, papel”, diz.  

Antes da crise, a família de Rosalva tinha uma vida confortável. Com imóvel e carro próprios, frequentavam uma casa de campo da família aos fins de semana e passavam férias todo ano no exterior.

“Sempre trabalhei, nem na época da universidade pedia dinheiro para a minha mãe. Passávamos o ano economizando para viajar para fora”, diz ela. “De repente deixamos de viajar, não tínhamos mais dinheiro para comprar as coisas. Eu participava de manifestações contra o que estava acontecendo no país, mas não adiantava nada. Me sentia impotente. Um dia disse: chega. Vamos embora.”

Ela pediu demissão de seu emprego em uma hidrelétrica, o marido saiu da empresa onde trabalhava como administrador e fechou a escola de culinária onde dava cursos aos sábados e domingos. 

Rosalva, que já tinha vindo para São Paulo de férias, inicialmente não gostava da cidade. Foi convencida a se mudar para cá pelo irmão, que trabalhava no programa Mais Médicos. 

O começo no Brasil foi duro, lembra ela. Moraram sete meses com a família do irmão e tiveram que se reinventar profissionalmente. “Passamos os três primeiros anos com as roupas que trouxemos. Não podíamos comprar nada além do básico. Aqui é tudo caro, você passa a vida pagando o carro, o aluguel é muito alto, tem muitos impostos."

Hoje, o casal vende comida venezuelana: as famosas arepas de milho, entre outros pratos. O Arepas Picatta conta com um trailer, um carrinho e uma "food bike" para eventos e também trabalha com delivery e catering. 

A rotina de Rosalva é pesada: nos fins de semana trabalha cerca de 14 horas por dia em eventos, praticamente sem descanso. No início, quando ainda estavam tateando no ramo da comida de rua, era ainda pior.

“Pegamos muitos pontos ruins, trabalhávamos de segunda a domingo sem parar. Tinha lugares onde não vendíamos nada. Ninguém conhecia a comida de nosso país e tínhamos que explicar muito em nosso ‘portunhol’”, conta.

Não sobra tempo nem para se deprimir, diz ela. “Nos dias em que eu quero cair na cama e não ver ninguém, não posso fazer isso, como antes. É uma coisa boba, mas é difícil recomeçar a vida fora."

O dinheiro tem que sobrar para ajudar a família na Venezuela. Os pais e os sogros de Rosalva dependem dos medicamentos que eles enviam por portadores —e que, com sorte, chegam até o destino. Seu sogro, por exemplo, é diabético e não encontra remédios para a doença ou tiras para medir glicose. A avó de seu marido tem Alzheimer e também não consegue tratamento por lá. 

Rosalva soube da seleção para a série da Globo em um programa de formação para imigrantes do qual participava. Decidiu se inscrever com uma amiga. Chegando lá, encontrou ao menos 50 venezuelanas que também tinham se inscrito.

O teste, em que ela tinha que responder a perguntas sobre sua rotina diante da câmera, acabou se desenrolando de forma inesperada para Rosalva. Enquanto falava, ela começou a questionar sua vida e caiu no choro.

“Perguntaram com quem ficava meu filho quando eu trabalho nos eventos de noite e contei que ele vai com a gente. Fiquei com vergonha, ele tem escola no dia seguinte, comecei a pensar: Será que sou uma boa mãe? Será que estou causando um trauma a ele? O que estou fazendo da minha vida?”, lembra. 

Quando terminou, achou que não seria selecionada, mas agradeceu a chance de poder desabafar. “Foi como uma terapia. Saí de lá toda vermelha, foi bem intenso.” 

Surpreendeu-se ao passar para a segunda rodada de testes, que foi em grupo, com cerca de 70 outras mulheres. Rosalva diz que ouviu histórias muito piores do que a dela. “Havia uma garota que caminhou de sua cidade até a fronteira com os três filhos, pegando carona”, conta. 

Acabou sendo chamada para o papel. A personagem de Rosalva é aluna da escola e vende arepas para sobreviver. As gravações duraram quatro meses e eram de madrugada, geralmente das 17h às 5h do dia seguinte. Atores novatos como ela contaram com a ajuda de um preparador. 

Ela diz ter se sentido à vontade com a equipe —fazem parte do elenco Debora Bloch, Paulo Gorgulho e Hermila Guedes—  e celebra o fato de venezuelanos serem representados na TV do Brasil: “Acho ótimo mostrar como vive o imigrante e sensibilizar o brasileiro sobre essa migração forte e repentina para cá e para outros lugares do mundo”. 

Rosalva e o marido sonham em abrir um ponto fixo para o negócio e alcançar uma estabilidade que permita trazer seus parentes para o Brasil. “O mais importante é manter nossa família unida e nos apoiarmos", diz.

Rosalva Cardona interpreta uma venezuelana no seriado 'Segunda Chamada', da Globo - Karime Xavier/Folhapress
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.