Fronteira com Colômbia vira retrato da agonia de venezuelanos por trabalho ou comida

Paramilitares colombianos e coletivos chavistas ameaçam passagem de refugiados

Sylvia Colombo
Cúcuta

Carlos (nome fictício), 26, é patrulheiro da polícia colombiana. Na zona fronteiriça próxima à cidade de Cúcuta, na Colômbia, ele enfrenta a temperatura de 38 ºC com uniforme e um fuzil a tiracolo.

Ele faz parte de um destacamento cuja função é vigiar os postos de aduana oficiais e as trilhas clandestinas que conectam essa região ao estado de Táchira, na Venezuela.

Enquanto acompanha a Folha por uma das “trochas” —caminhos construídos ilegalmente para passagem de refugiados venezuelanos, narcotraficantes e grupos armados—, Carlos relata sua rotina.

Durante as oito horas diárias em que patrulha a fronteira, ele vê, de um lado, paramilitares colombianos cobrando pedágio de quem atravessa a área. Do outro, os ‘coletivos’ chavistas ameaçando impedir a passagem de refugiados venezuelanos.

“Há bandos aqui dedicados a contrabando e narcotráfico. Tentamos impedir o avanço dos refugiados venezuelanos, mas estamos proibidos de retrucar se eles disparam contra nós. É ordem do governo.”
Carlos vê uma escalada de tensão na fronteira, o que causa apreensão nele e em seus colegas.

É o mesmo que se ouve da população local, preocupada com a crise humanitária na Venezuela e com o aumento do número de dissidentes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e de membros do ELN (Exército de Libertação Nacional), grupos armados que atuam em território venezuelano.

De acordo com o governo colombiano, há 1.400 guerrilheiros do ELN e cerca de 800 dissidentes das Farc na Venezuela. Distribuídos em 207 acampamentos, operam com criminosos locais 20 pistas de aterrissagem usadas para o narcotráfico.

 

Segundo a ONG Observatório Venezuelano de Segurança Cidadã, o número de homicídios na região fronteiriça foi de 32 no primeiro semestre de 2019, aumento de 100% em relação ao mesmo período no ano passado.

Desde 2012, foram mais de 10 mil mortes, vítimas de tiroteios entre facções, guerrilhas, paramilitares e coletivos.

Na área do Norte de Santander, há mais de 50 “trochas”. “A maioria foi aberta nos últimos anos, sempre que se fechava a fronteira oficial”, afirma Carlos. Isso vem acontecendo com frequência devido aos desentendimentos entre o governo colombiano e a ditadura de Nicolás Maduro.

Em Cúcuta, 40% dos que cruzam todos os dias a ponte Simón Bolívar, posto fronteiriço oficial, atravessam para fazer compras, trabalhar ou estudar, segundo o serviço imigratório da Colômbia.

Para tentar organizar o fluxo, o governo colombiano criou um “cartão de fronteira”. Com o documento e a “cédula” (RG venezuelano) é possível entrar e sair do país, mas quem quiser ficar ali ou partir da Colômbia para outro lugar tem de obter um passaporte.

No meio da “trocha” que a reportagem da Folha atravessou há um rio, que precisa ser cruzado na raça. Os refugiados venezuelanos haviam construído pequenas pontes de madeira, mas a polícia colombiana as desmontou.

Famílias, casais e muitos jovens solitários buscam “bicos” em Cúcuta para voltar com algum dinheiro.
“Estou indo vender suco. Antes vendia gasolina, que rende muito mais, mas a ‘trocha’ do contrabando de gasolina está muito perigosa. Te roubam ou cobram um pedágio muito alto”, diz Erwin (nome fictício), que traz uma pistola na cintura, debaixo da camiseta.

Também há quem lave roupa ou mesmo encha garrafas de uma água barrenta para consumo ou para cozinhar.

No início da ponte, no lado colombiano, táxis se aglomeram. São os “maleteros”, que cobram para carregar as compras dos clientes para a Venezuela. Há quem leve comida, colchões ou roupas —tudo em malas imensas ou caixas de papelão.

A polícia colombiana tem trabalho para organizar os “maleteros”, que são muito mais numerosos que os clientes. É comum haver confusão com os agentes, que tentam fazer com que retrocedam e se mantenham organizados.

“Eles atiram na gente. É com bala de borracha, mas dói”, diz Elvis Martínez, 24. Vários se aproximam da reportagem para mostrar suas feridas. Uma garota mostra as pernas roxas. “Não respeitam nem as mulheres”, diz.

Ao redor da ponte, um ruidoso comércio de tudo o que se possa imaginar está instalado.

Elvis está com a mãe, Petra Martínez, há algumas semanas nesse ponto da fronteira, mas já estiveram na fronteira da Venezuela com o Brasil.

“Fazia sopa e vendia para os refugiados. Ganha-se melhor lá, mas é mais difícil, o idioma, o ambiente. Aqui na Colômbia estamos mais à vontade”, conta.

Próximo dali, está uma outra ponte, a de Tienditas, fechada pelos venezuelanos quando o líder opositor Juan Guaidó tentou, no começo do ano, levar ajuda humanitária da Colômbia para a Venezuela.

Em Tienditas, não se vê movimento —é a imagem do desconsolo. Sobre a ponte, há um contêiner bloqueando a passagem, no qual alguém escreveu “queremos paz”. Ao redor, o mato cresce, e a ajuda humanitária apodrece, sem nunca ter chegado a seu destino.

Enquanto isso, perto dali, refugiados venezuelanos atravessam como podem para o lado colombiano.
Por outro lado, grupos criminosos se enfrentam, e o número de mortes aumenta. “Difícil ver saída. Aqui tem de pensar um dia depois do outro”, diz Petra. “Se for pensar no futuro, é o desespero.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.