Milão exporta bosque vertical e quer floresta urbana com 3 mi de árvores

Para combater ilhas de calor e poluição, cidade italiana cria projeto para aumentar sua área verde

Michele Oliveira
Milão

Foi durante uma passagem por Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, em 2007, que o arquiteto italiano Stefano Boeri teve a ideia para o seu projeto mais famoso. “Todos aqueles arranha-céus revestidos de vidro, no deserto, são uma loucura. O vidro reflete o calor para o espaço público, sem falar no uso do ar-condicionado. O Bosco Verticale nasceu ali”, disse à Folha.

Sete anos depois, foram entregues em Milão, na Itália, as duas torres residenciais com cerca de 800 árvores na fachada (e outros 20 mil arbustos e plantas menores). O conjunto ganhou prêmios internacionais, entrou para a lista de cartões-postais da cidade e credenciou o arquiteto como um especialista em floresta urbana. 

Depois do Bosco Verticale de Milão, Boeri foi chamado para repetir o conceito em quatro cidades da China, Paris (França), Tirana (Albânia), Eindhoven e Utrecht (Holanda), Cairo (Egito), Bangcoc (Tailândia) e Cancún (México). Ele afirma que teve conversas para fazer um projeto semelhante em São Paulo, mas que, por enquanto, a ideia não vingou.

Vista do Bosco Verticale, edifício projetado em Milão pelo Boeri Studio - Giovanni Nardi/Divulgação

Ao mesmo tempo, Boeri, que é professor do Politécnico de Milão, lidera uma equipe que pretende fazer crescer horizontalmente a quantidade de verde na região metropolitana da cidade italiana, formada por 133 municípios e uma superfície de 1.575 quilômetros quadrados, praticamente a mesma da capital paulista. 

O projeto, chamado de Forestami, é ambicioso: prevê a plantação de 3 milhões de árvores e arbustos até 2030.

“A ideia nasceu em 2018 e se desenvolveu de maneira concreta em 2019, quando plantamos cerca de 85 mil árvores. Em 2020, o objetivo é ter 100 mil novas”, conta Pierfrancesco Maran, secretário milanês de Planejamento Urbano, Verde e Agricultura.

A plantação desta estação agronômica começou em novembro e segue até março, quando se espera atingir a meta dos 100 mil. Só na cidade de Milão, estão previstas 20 mil novas árvores, que, para encontrar espaço, devem extrapolar as áreas de parques e jardins e ocupar superfícies pavimentadas, como rotatórias, calçadas e estacionamentos. 

É justamente essa união de vários elementos verdes, além de cemitérios e pátios de edifícios, que caracteriza uma floresta urbana. “É um conceito mais metafórico que físico. 

A floresta urbana é a soma de todas as partes verdes que, juntas, fornecem serviços como sombra, absorção de água e limpeza do ar a uma cidade”, explica Simone Borelli, responsável por florestas urbanas e periurbanas na FAO, órgão da ONU (Organização das Nações Unidas) para alimentação e agricultura que tem sede em Roma.

O termo, diz Borelli, começou a ser estudado na FAO no fim dos anos 1980 e se intensificou nos últimos dez anos devido a um aumento de interesse das cidades e seus habitantes. “A urbanização está acelerando muito. Existe uma crise urbana, uma pressão fortíssima sobre as cidades. E, além disso, há uma crescente preocupação com a mudança climática. As pessoas estão se dando conta de que as condições nas cidades estão cada vez pior.”

Segundo dados da ONU, desde 2008, pela primeira vez na história, mais da metade da população mundial vive em centros urbanos. A estimativa é que o índice atinja 70% em 2050. Com o adensamento também da infraestrutura, tornaram-se crônicos fenômenos como ilhas de calor, alagamentos e índices alarmantes de poluição do ar.

Problemas que, segundo esses especialistas, uma floresta urbana pode ajudar a resolver, se acompanhada de outras medidas, principalmente projetos de mobilidade baseados na restrição ao carro e no estímulo ao uso de meios de transporte públicos e por compartilhamento (carros, motos, bicicletas, patinetes).

“Temos muitos instrumentos para reduzir a produção de gases do efeito estufa: usar energia renovável, mudar as dietas alimentares, trabalhar o sistema de mobilidade. Mas só temos um jeito de absorver o CO2 que já foi produzido: árvores e plantas”, afirma o arquiteto Boeri. 

“Os bosques e as florestas no mundo absorvem cerca de 40% de todo o CO2. Então, fazer isso nas cidades, onde ele é mais produzido, é muito eficaz”, completa. 

Tem os benefícios para quem vive nas cidades e tem aqueles para quem administra as cidades. Na avaliação de Borelli, da FAO, o selo “verde” tem ajudado a captar dinheiro. “Essa ideia de deixar a cidade mais bonita e salubre atrai investimentos. Se uma multinacional precisa decidir onde investir provavelmente escolhe uma cidade que está se movendo contra a mudança climática. Trata-se mesmo de criar uma imagem positiva.”

É no capital privado que Milão aposta suas fichas para financiar seu projeto até 2030.

“Está sendo criado um fundo ad hoc [finalidade específica], que vai coletar o financiamento entre empresas e pessoas físicas que querem contribuir para esse desafio ambiental”, diz o secretário Maran, que espera recolher em 2020 3 milhões de euros (R$ 13,5 milhões) para usar na região metropolitana. 

Além da questão financeira, as cidades precisam ter capacidade de planejamento e manutenção a longo prazo e encontrar espaço para ampliar o percentual de verde.

Borelli avalia que o primeiro passo é incluir as metas ambientais no planejamento urbano desde o início e considerar os gastos como investimento em vez de custo. Também se sai melhor quem envolve a população, consultando os moradores na hora de decidir onde e quais espécies plantar em um bairro —sempre a partir de uma lista de árvores nativas, uma regra fundamental. 

“Outro problema está na distribuição do verde, com bairros ricos mais arborizados do que os pobres. Quando se faz planejamento urbano é preciso cuidar dessa justiça ambiental”, afirma.

As cidades que superaram essas dificuldades fazem parte de uma lista divulgada em 2018 pela FAO, que listou 15 histórias “inspiradoras” nesse tema de florestas urbanas. 

Longe de ser um ranking, o relatório dá exemplos de como diferentes municípios pelo mundo estão melhorando sua infraestrutura verde. Estão lá projetos desenvolvidos em Phoenix (EUA), Nairóbi (Quênia), Melbourne (Austrália), Vancouver (Canadá) e Niterói, a única brasileira no rol. 

Todos esses lugares colocaram em prática aquilo que vislumbrou Boeri em 2007. “A cultura ocidental sempre dividiu a floresta da cidade. Fica fora ou, quando dentro, apartada em forma de parque ou jardim. Esses elementos devem se ‘copenetrar’ totalmente. O Bosco Verticale é um símbolo desse movimento duplo”, afirma o arquiteto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.