Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/07/2011 - 11h06

Bancos europeus precisam de 80 bilhões de euros, diz analista

Publicidade

DA REUTERS, EM LONDRES
DE SÃO PAULO

Os bancos da Europa precisariam de 80 bilhões de euros em capital sob um teste de estresse mais duro, mais de 30 vezes o valor apontado pelos testes oficiais divulgados na véspera, disse o analista Kian Abouhossein, do JPMorgan.

Os resultados dos testes de estresse europeus mostraram na sexta-feira que oito pequenos bancos entre 90 instituições testadas falharam e precisam de uma injeção de capital de 2,5 bilhões de euros até o fim do ano para resistir à crise da dívida que assola o continente.

O teste da Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês) avalia a resiliência de uma amostra de bancos em cenários "plausivelmente adversos" --por exemplo, a atual crise europeia.

Analistas consideraram, porém, que o teste não foi suficientemente rígido, daí a alta taxa de aprovação, e que isso pode provocar um efeito adverso nos mercados.

Segundo Abouhossein, 20 grandes bancos falhariam em uma prova mais dura, levando em conta os números que eles forneceram para os testes.

Para Abouhossein, os bancos mostrariam um déficit de capital de 80 bilhões de euros em um teste mais difícil, sendo 25 bilhões de euros dos bancos britânicos, 20 bilhões dos franceses, 14 bilhões dos alemães, 9 bilhões dos italianos, 4 bilhões dos espanhóis, 4 bilhões dos portugueses e 4,5 bilhões dos austríacos.

FALHA

A instituição com o pior desempenho no testo da EBA foi o ATEBank, da Grécia, que também teve um segundo banco reprovado, o EFG (ambos estatais).

Falharam ainda cinco bancos espanhóis --CAM, Pastor, Caja3, Unnim e Catalunyacaixa-- e o austríaco Volksbanken. Em reação, a Espanha negou que seus bancos precisem reforçar o caixa.

O banco alemão Helaba se retirou do teste na quarta-feira, diante da expectativa de que fosse reprovado.

A expectativa do mercado era que 15 instituições fossem reprovadas. Ainda assim, 16 bancos ficaram no limiar da reprovação e precisam adotar um plano emergencial nos próximos três meses.

Uma das críticas feitas ao teste é a de que não levou em conta a possibilidade de um calote grego --o que colocaria bancos franceses e alemães numa situação complicada.

O EBA afirmou que o teste deste ano foi mais severo que o do ano passado. Em 2010, o banco irlandês Allied Irish Bank foi aprovado, mas, meses depois, precisou ser resgatado pelo governo.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página