Grupos de direita no Brasil contestam embaixada alemã sobre nazismo

Órgão do país europeu publicou vídeo sobre o assunto há dez dias

João Pedro Pitombo
Salvador

Um vídeo publicado pela Embaixada da Alemanha no Brasil em suas redes sociais viralizou no cenário de polarização política no Brasil. 

Concebido para divulgar a história da Alemanha, a peça, publicada há dez dias, informa que os alemães “são ensinados a confrontar os horrores do Holocausto” —o extermínio sistemático de judeus pelo regime nazista. 

O vídeo mostra que o nazismo é uma ideologia de extrema-direita e cita o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Mass: “Devemos nos opor aos extremistas de direita, não devemos ignorar, temos que mostrar nossa cara contra neonazistas e antissemitas”.

A afirmação despertou militantes de direita brasileiros que acreditam que o nazismo seria um movimento de esquerda porque o partido liderado por Adolf Hitler se chamava, oficialmente, Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães.

Os manifestantes argumentam que a centralização de poder exercida por Hitler seria típica da esquerda —o que ignora outros exemplos históricos, como o da Itália e os das ditaduras sul-americanas dos anos 1960 e 1970.

Entre os comentários em redes sociais, há aqueles que negam o massacre de 6 milhões de judeus. Brasileiros ainda se referiram ao holocausto com a palavra holofraude para defender a suposta inexistência história do assassinato de milhões de judeus na primeira metade do século 20. 

Em resposta, o próprio perfil da Embaixada da Alemanha no Brasil rebateu a afirmação e disse que “holocausto é um fato histórico, com provas e testemunhas que podem ser encontradas em muitos lugares da Europa”.

Até este domingo (16), o vídeo teve 680 mil visualizações e 11 mil compartilhamentos.

Vídeo produzido pelo governo alemão

Adolf Hitler em imagem do documentário "Arquitetura da Destruição",
Adolf Hitler em imagem do documentário "Arquitetura da Destruição" - Divulgação
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.