Não é a melhor hora de reconhecer erros, mas gente nossa fez bobagem, diz Jaques Wagner

Ex-governador petista, que foi cogitado como presidenciável, critica reação de Ciro contra o PT e diz que a cadeira vai ajeitar Bolsonaro

O ex-governador da Bahia, e senador eleito, Jaques Wagner (PT) durante entrevista no gabinete da liderança do PT no senado - Pedro Ladeira - 6.dez.2018/Folhapress
Bruno Boghossian
Brasília

Um dos principais líderes do PT, Jaques Wagner afirma que não é hora de autocrítica. O ex-governador da Bahia diz que opositores querem “amplificar eventuais erros”, mas reconhece: “Nessa questão de corrupção, que gente nossa fez bobagem está claro”.

Wagner era o favorito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para substituí-lo na corrida presidencial, mas não topou. Foi voz dissonante no PT e chegou a defender o apoio a Ciro Gomes (PDT) em 2018. Agora, reclama do pedetista.

“Quem defende a democracia não pode querer o isolamento do PT”, diz ele.

 

A eleição de Jair Bolsonaro se deu em parte pela rejeição ao PT. Que lição o partido tira do resultado?
Teve gente que votou porque não queria o PT, mas isso é minoritário. Até porque pesquisas mostravam que Lula poderia ganhar no primeiro turno. Foi mais antissistema do que anti-PT. Entre os partidos tradicionais, o que se saiu melhor foi o PT.

O senhor defendia a união da esquerda e dizia que o PT poderia abrir mão da candidatura. O partido errou? 
Não gosto de ser engenheiro de obra pronta. Minha tese era o Lula. Se não fosse o Lula, poderíamos apoiar alguém desse espectro. Querendo ou não, na esquerda o PT chegou na frente. Se eu estivesse certo, teria ganhado o Ciro.

Mas no segundo turno o senhor disse que o Ciro era uma estratégia melhor. 
É tudo interrogação. O PT entendia que, para chegar ao segundo turno, o candidato dependia do apoio do Lula, que foi uma coisa mal trabalhada. Se foi mal trabalhada pelo PT, foi mal trabalhada também pelo Ciro. Só não entendo por que ele virou um exímio atacante contra o PT. Diziam que não deveríamos apoiá-lo porque ele faria isso. Está confirmando a tese. E ainda diz “vamos isolar o PT”. Quem defende a democracia não pode querer o isolamento do PT.

Ciro diz que se sente traído e que o PT busca hegemonia na esquerda.
Não sei por que ele se sente traído. Eu sempre disse que ele era um belíssimo quadro. Quando diz “traído”, significa que alguém prometeu e não cumpriu. Desconheço essa promessa.

E a hegemonia?
Me perdoe, ninguém abre mão de poder graciosamente. O grupo do Ciro hegemoniza ou não no Ceará? Parece que queremos ser os donos da bola, como se alguém tivesse entregado a bola de graça. A hegemonia do PT não foi montada por decreto.

Lula quis que o senhor fosse candidato a presidente. Seu desempenho teria sido diferente?
Precisamos fazer a fila andar. Se havia essa onda de renovação, o [Fernando] Haddad tinha menos a cara da política déjà vu do que eu. E o Nordeste já estava consolidado. Era mais importante alguém do Sudeste.

O senhor também decidiu não concorrer por acreditar que ficaria exposto, dadas as investigações que existem contra o senhor?
Estou muito à vontade em relação a isso. Podem falar que deram doação, presente ou sei lá, mas nenhuma delação fala de superfaturamento em obra da Bahia. Cancelei um contrato com a Odebrecht e reduzi o preço. Fiz o metrô, chegaram OAS e Odebrecht e nem foram para a licitação, porque queriam R$ 800 milhões a mais para aportar como contribuição do governo. Chamo cem empresários e vários se oferecem para testemunhar a meu favor. Nem sequer fui indiciado.

"Não é a melhor hora para reconhecer erros quando alguém quer amplificar eventuais erros", diz Wagner sobre autocrítica do Partido dos Trabalhadores - Pedro Ladeira - 6.dez.2018/Folhapress

Por que o PT resiste a fazer autocrítica?
Não é a melhor hora para reconhecer erros quando alguém quer amplificar eventuais erros. Em condições normais, podemos falar que esse ou aquele não foi o melhor caminho. Nessa questão de corrupção, que gente nossa fez bobagem está claro. Até porque só acabou o financiamento privado de campanhas agora. Eu sempre disse que essa relação criava promiscuidade. Sobre a política econômica do governo Dilma, não vejo constrangimento. Muita gente achava que era aquele o caminho, e eu achava outro. Isso não quer dizer falar mal dela.

O PT foi leniente com quem fez “bobagem”, como o senhor disse?
Prefiro voltar à tese. A grande falha do PT foi não ter feito uma reforma política com financiamento público de campanha, já em 2003.

Mas fica a impressão de que o crime é inevitável.
É. Se na lógica da política você só ganha gastando dinheiro, e quem tem dinheiro é empresário...

Nem todo mundo agiu assim.
​Não sei se nem todo mundo agiu ou se alguns foram mais eficientes para fazer sem ninguém descobrir. Por que tudo recaiu sobre o PT? Porque foi governo por 13 anos e quem tem obra é a União. Se houvesse uma Lava Jato no tempo do PSDB... Por que tudo recaiu sobre o PT? Porque foi governo por 13 anos e quem tem obra é a União. Se houvesse uma Lava Jato no tempo do PSDB...

Como será o futuro de Lula com o avanço dos processos contra ele?
Espero que façam justiça e tenham reconhecimento pelo que ele fez pelo Brasil. [Nelson] Mandela foi o líder do movimento antiapartheid, ficou 20 e tantos anos preso e saiu como herói nacional. Lula é um herói nacional. Mais importante que o Judiciário é a história do Brasil.

Por que Lula resiste em buscar uma prisão domiciliar?
A privação de liberdade só deveria ser endereçada a quem representa um risco para a sociedade. Lula, fora do poder, representa risco zero. Se Lula resiste, é porque ele quer o reconhecimento de sua inocência.

Como o PT sobreviverá com a ausência de Lula?
A forma de comunicação vai continuar limitada, mas ele emite opiniões que são levadas em consideração. Não acho que o partido não consiga andar devido à não presença dele aqui.

O PT afirmava que Bolsonaro era um risco autoritário. Como vê seus primeiros passos depois da eleição?
É cedo. Quando ele mandar as primeiras matérias para o Congresso, vamos ver como vai se relacionar. Vai ser na intimidação? Desejo que ele jogue na democracia, apesar do estilo, de falar aquelas maluquices. A cadeira vai ajeitando a pessoa.

O ex-ministro José Dirceu disse que Bolsonaro é um fenômeno que pode durar anos e que tem base social. O senhor concorda?
Não acho que ele tenha base social consistente. O que ele fala representa o que as pessoas querem. As pessoas estavam com problemas de segurança, desemprego, descrença nos políticos. Pode ser que fique mais de quatro anos. Eleição é eleição.

Jaques Wagner não topou ser candidato à Presidência; foi eleito senador pela Bahia com 4,3 milhões de votos - Pedro Ladeira - 6.dez.2018/Folhapress

Raio-x

Jaques Wagner, 67

Foi deputado federal (1991-2005), ministro do governo Lula (Trabalho e Relações Institucionais), governador da Bahia (2007-2014) e ministro do governo Dilma (Defesa e Casa Civil). Neste ano, elegeu-se senador pelo PT baiano, com 4,3 milhões de votos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.