Descrição de chapéu The New York Times

Saí do Facebook no ano passado. Eis o que mudou (e não)

Sem os anúncios da rede, percebi que estou gastando muito menos dinheiro

Brian X. Chen
San Francisco | The New York Times

Quando o Facebook e sua família de apps passaram por uma queda que durou o dia inteiro, na semana passada, milhões de pessoas tiveram um gostinho de como seria a vida se a rede social desaparecesse de seu cotidiano.

Posso lhes dizer mais a respeito: apaguei de vez minha conta do Facebook cinco meses atrás.

O que aconteceu depois disso?

A missão declarada da rede social sempre foi conectar as pessoas para que possamos viver em um mundo mais aberto. Mas depois de sair do Facebook, em outubro, descobri que não me sentia menos conectado e que a minha vida social não sofreu, ainda que eu já não tivesse acesso aos "status updates" e às fotos dos amigos no News Feed.

0
Ícones do Facebook, WhatsApp e Instragram em tela de celular - AFP

Meus amigos e eu continuamos a a combinar encontros via email e apps de mensagens. O mesmo vale para a minha família. Nada mudou.

Mas há algumas diferenças —entre as quais experiências estranhas com publicidade online. O Facebook há muito tempo usa informações que recolhe sobre seus usuários para lhes direcionar publicidade vista como relevante. Depois de alguns meses fora da rede social, comecei a ver publicidade aleatória em sites como o Instagram (controlado pelo Facebook), incluindo anúncios de produtos de depilação feminina, bolsas e maiôs.

O Instagram talvez tenha começado a achar que sou mulher, e minha carteira agradece. Percebi que estou gastando muito menos dinheiro com futilidades divertidas, como comprar roupas e equipamento de cozinha online, porque não recebo mais os anúncios que o Facebook considerava relevantes e que me estimulavam a gastar. Nos últimos cinco meses, gastei 43% menos dinheiro com compras feitas online.

E o chamado "FOMO", o medo de ficar de fora, supostamente induzido pela mídia social? Essa é muitas vezes uma das principais razões para que as pessoas não desistam do Facebook. E se elas não virem aquela mensagem sobre um programa com um amigo distante? Ou um convite para uma festa que circulou só na rede social?

Para mim, a realidade é que, sem o Facebook, não perdi grande coisa —exceto a publicidade dirigida. Eis mais algumas coisas que descobri.

Não sinto falta dos meus "amigos"

Nos meus 14 anos de uso do Facebook, fiz cerca de 500 amigos, a maioria deles ex-colegas de classe com quem eu havia perdido contato.

Na vida real, tenho cerca de 20 amigos com quem converso regularmente. Por isso, quando enfim saí do Facebook, as consequências foram nada drásticas.

Aqueles mesmos amigos continuaram em contato comigo via iMessage, Signal ou email. Continuamos a sair para jantar ou ir ao cinema juntos. Só me lembro de um amigo que usava exclusivamente o Facebook Messenger para se comunicar —agora mantemos contato via email e conversamos menos do que no passado, mas quando nos encontramos em pessoa, continuamos tão amigos quanto no passado. E nem consigo me lembrar da última vez em que fui a um evento para o qual tenha sido convidado via Facebook, de modo que o FOMO não é problema.

Também sei muito bem do que não sinto falta alguma no Facebook: as pessoas que frequentemente postavam pesquisas políticas, reportagens políticas ou suas opiniões sobre acontecimentos recentes no site. Ocasionalmente, alguns desses posts são divertidos, mas a maioria não passa de perda de tempo.

Ultimamente, também comecei a ler mais livros. Será que isso acontece porque estou desperdiçando menos energia lendo o Facebook?

Os anunciantes pararam de me perseguir

As marcas há muito tempo têm a capacidade de dirigir anúncios aos usuários por meio de instrumentos fornecidos pelo Facebook. Você talvez veja o anúncio de um determinado relógio no Facebook porque o fabricante do relógio usou os recursos da rede social para atualizar seu endereço de email e aproveitou outros dados de que ela dispõe sobre você —como sua idade ou o fato de que você segue a página da Timex no Facebook.

Quando você navega por sites fora do Facebook, a companhia continua a rastrear sua navegação, para ajudar marcas a encaminhar anúncios direcionados. Depois de visitar um site sobre sapatos, por exemplo, você pode receber um anúncio sobre eles - ou um modelo semelhante —quando vai a outro site.

A rede social recorre a diversas abordagens para recolher informações sobre os internautas. Uma delas envolve o pixel do Facebook, um rastreador invisível que marcas podem colocar em seus sites. Quando você visita o site de uma marca, os pixels do Facebook enviam à empresa informações sobre o aparelho que você está usando e seu histórico de navegação. A rede social pode usar essas informações para permitir que marcas direcionem publicidade a usuários.

Ao apagar minha conta do Facebook, eu queria que todo esse direcionamento publicitário desaparecesse. Por isso, não me limitei a apagar a conta, e instalei bloqueadores de rastreamento em meu computador e nos meus aparelhos portáteis, para impedir que anunciantes usassem "cookies" e pixels de rastreamento como o do Facebook.

O esforço adicional deu resultado. O ataque incessante da publicidade dirigida parou.

"Se você instala um bloqueador de rastreamento e apaga sua conta do Facebook, você sai do sistema", disse Gabriel Weinberg, presidente-executivo do DuckDuckGo, um grupo que oferece ferramentas de proteção da privacidade, entre as quais um navegador que bloqueia rastreadores.

O Facebook afirma não criar perfis sobre pessoas que não fazem parte da rede, e acrescenta que não lhes direciona anúncios. "Sites e apps nos enviam informações sobre as pessoas que os visitam, quer a pessoa tenha um perfil no Facebook, quer não", a companhia afirma em comunicado. "Se você não é usuário do Facebook, não sabemos quem é você e não montamos qualquer perfil a seu respeito".

Os anunciantes dispõem, de outros métodos que não o Facebook para me perseguir, mas existem motivos econômicos para que desistam. Com os instrumentos do Facebook, era relativamente barato e efetivo para eles me rastrear e direcionar anúncios a mim. Sem o Facebook, isso se torna muito mais caro.

"Seguir uma pessoa pode se tornar caro demais para o anunciante", disse Michael Priem, presidente-executivo da Modern Impact, uma agência de publicidade em Minneapolis.

Meus gastos caíram. Muito.

O Facebook sempre defendeu a publicidade direcionada afirmando que os usuários de internet se irritam quando veem anúncios irrelevantes. Discordo. Sim, os anúncios que vejo agora nada têm a ver comigo —mas o lado positivo disso é que minhas despesas caíram imensamente.

Cerca de um ano atrás, lembro de seguir um anúncio no Facebook e visitar o site da Taylor Stitch, uma loja de roupas. Olhei um casaco e fechei a janela do navegador depois de decidir não comprá-lo. Mas nas semanas seguintes, vi anúncios daquele casaco no Facebook, Instagram e outros sites. E veja só: terminei comprando.

Depois de apagar o Facebook, cancelo com mais frequência minhas compras online, depois de me questionar: preciso mesmo de mais uma camisa de flanela, frigideira ou misturador de coquetéis? A resposta é sempre não. E porque não há coisa alguma que me faça mudar de ideia agora, meu cartão de crédito fica guardado.

Abri o Mint, um software de orçamento e acompanhamento de gastos, para fazer ideia clara de quanto estava economizando. De outubro à metade de março, gastei cerca de US$ 341 em roupas e US$ 1,1 mil em compras na Amazon.

Isso representa queda significativa ante meu consumo antes de apagar o Facebook. De outubro de 2017 à metade de março de 2018, gastei US$ 1.008 em roupas e US$ 1.542 na Amazon. Ops.

O Instagram acha que sou mulher

Por anos, os anúncios que eu via em minha conta do Instagram eram de botas masculinas, valises e videogames. Agora, recebo publicidade de produtos para depilação feminina e sutiãs.

Tenho uma teoria para explicar a mudança, e o Facebook não a contesta: porque não tenho mais conta no Facebook, o Instagram fica desprovido de grande parte das informações sobre quem eu sou e do que gosto. Por isso, pode ser que lhe faltem sinais para encaminhar os anúncios corretos.

E porque eu e minha noiva cuidamos juntos da conta de Instagram de nosso cachorro, e interagimos com ela usando nossas contas e aparelhos pessoais, pode ter surgido alguma confusão e o Instagram agora acredita que sou mulher. (O Instagram não pede que os usuários declarem o sexo ao se inscrever.)

É meio estranho, mas não me irrita. Em lugar disso, acho os anúncios irrelevantes divertidos. No mínimo eles me dão ideias para futuros presentes.

The New York Times, tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.